ASSINE
Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, foi morta dentro de casa
Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, foi morta dentro de casa. Crédito: Facebook/Reprodução

Morta dentro de casa, Daniele juntava dinheiro para montar quarto para filho

Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, foi encontrada morta após o próprio filho pedir ajuda a vizinhos, no último dia 5 de julho, em Nova Bethânia, Viana. Companheiro dela é o principal suspeito

Tempo de leitura: 3min
Vitória
Publicado em 13/07/2022 às 11h36

Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, descrita por amigos e familiares como uma mulher feliz e prestativa, tinha um único sonho: montar o quarto do filho de 4 anos. Para isso, com o pouco que recebia como babá, ela juntava dinheiro.

Segundo a irmã da vítima, Natiele de Jesus Souza, de 37 anos, Daniele e o filho já tinham até escolhido a decoração do quarto, que seria nas cores favoritas da criança: vermelha, amarelo e azul.

Ela foi encontrada morta no último dia 5 de julho, no bairro Nova Bethânia, em Viana, após o filho, que presenciou o crime, pedir ajuda a vizinhos. Daniele foi assassinada a facadas e o principal suspeito é o seu companheiro.

Natiele de Jesus Souza

Irmã

"Tudo que minha irmã fazia era pelo filho. Seu sonho sempre foi montar o quarto dele, com as cores que ele pedia. Por morar em uma casa de aluguel, ele não tinha um quarto só dele e do jeito que queria. E minha irmã lutava para ele ter o melhor. Com o pouco salário, pagava aluguel e guardava uma parte para esse quarto. Ela chegou a conversar com minha mãe dois dias antes de ser morta e disse que já estava olhando um guarda-roupa"
Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, foi morta dentro de casa
Daniele de Jesus Almeida, de 23 anos, foi morta dentro de casa . Crédito: Reprodução/Redes sociais

Daniele não media esforços para ver o filho feliz e nunca deixou o aniversário dele passar em branco. Eles comemoraram o último aniversário da criança no dia 11 de junho.

“Nunca deixava o aniversário dele sem nada, nem que fosse um bolo. E não pedia ajuda. Quando a gente descobria que ela estava organizando a festa, já tinha tudo pronto. O último aniversário foi sobre o Flash, pois meu sobrinho ama super-herói”, relatou a irmã.

Considerada pelos familiares como uma mãe e dona de casa zelosa, Daniele tinha um segundo amor além do filho: plantas. Suas prateleiras estavam sempre cheias de desenhos dos filhos e das suas plantinhas de estimação.

Além disso, sempre foi discreta na vida pessoal e nunca contou a amigos ou familiares sobre qualquer discussão que tenha tido com o companheiro. De acordo com a irmã, apenas após ser morta, é que parentes descobriram, através de vizinhos, as brigas constantes do casal.

“Minha irmã não gostava de incomodar ninguém e nem demonstrar tristeza. Por isso, acredito que ela preferiu não contar qualquer coisa que estivesse acontecendo. Acredito que ela passou uma vida triste, mas não queria nos mostrar”, contou Natiele.

FILHO GUARDA BRINQUEDOS QUE GANHOU DA MÃE COMO LEMBRANÇA 

Tendo somente os brinquedos que ganhou da mãe como lembrança, o menino não gosta que outras crianças cheguem perto dos objetos e os deixa guardados em uma caixa. Ele ainda pergunta pela mãe e espera por sua volta.

De acordo com familiares, o acusado tem sido visto por vizinhos próximo à casa onde mora a mãe e o filho de Daniele.

SUSPEITO ESTÁ FORAGIDO

No início da manhã do dia 5 de julho, o filho de Daniele foi encontrado por um morador do bairro e disse que a mãe estava dentro de casa, com muito sangue. O homem acionou a polícia, que foi ao local. A vítima foi encontrada já morta dentro de casa. Ela foi assassinada a facadas, e o principal suspeito é seu companheiro. Dentro da residência ainda foi encontrada uma criança de 3 anos dormindo.

Os vizinhos contaram à polícia que, na noite anterior ao crime, ouviram muitos gritos na casa, mas não chamaram a polícia após constatarem que os gritos pararam. Segundo eles, as brigas na casa da vítima eram comuns.

De acordo com a Polícia Militar, o corpo tinha diversas perfurações por faca e a arma estava ao lado da vítima.

A Polícia Civil informou que o caso segue sob investigação da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM). Até o momento, o suspeito do crime não foi detido e se encontra foragido.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.