ASSINE

Desafio vai qualificar e premiar mulheres com negócios na periferia no ES

Serão selecionados 20 negócios desenvolvidos nas periferias que são liderados por mulheres dos Estados do Espírito Santo e São Paulo. Inscrições já estão abertas e prêmios chegam a R$ 10 mil

Publicado em 08/03/2021 às 18h42
Bárbara é empreendedora do ramo da moda e responsável pela mobilização do projeto:
Bárbara é empreendedora do ramo da moda e responsável pela mobilização do projeto: "Oportunidade de potencializar negócios". Crédito: Das Pretas/Divulgação

Estão abertas as inscrições do 1º Desafio EDP de Empreendedorismo Periférico, realizado pela EDP em parceira com Instituto das Pretas. O objetivo é premiar e capacitar mulheres com imersões e mentorias para que elas desenvolvam soluções e inovações para os seus negócios.

Serão selecionados 20 negócios periféricos liderados por mulheres dos estados do Espírito Santo e São Paulo para participar das facilitações, mentorias e co-criações em uma aceleração de três meses de duração.

Ao fim desse percurso, as empreendedoras irão defender seus negócios e soluções criadas para uma banca avaliadora que selecionará três ideias. As finalistas também passarão por um voto popular nas redes sociais para concorrer às premiações de R$ 10 mil e um notebook (1º lugar), R$ 7 mil (2º lugar) e R$ 5 mil (3º lugar).

Durante a jornada imersiva, o projeto vai orientar as participantes para a estruturação e sustentabilidade do seu negócio, estimulando o processo criativo e desenvolvimento de soluções frente às dificuldades enfrentadas em seus territórios.

Para possibilitar o acesso e permanência na imersão, todos os negócios participantes receberão uma bolsa permanência de R$ 400 e um kit com material didático e equipamentos.

O desafio é exclusivo para mulheres que residem e possuem negócios em região periférica nos municípios dos estados de Espírito Santo e São Paulo e que nunca participaram de outro projeto de aceleração. Além disso, possuem prioridade mulheres negras, indígenas, acima de 35 anos, mães solo e população LGBTQIAP+.

Responsável pela mobilização da imersão, a empreendedora Bárbara Letícia dos Santos Bastos Dal Bem, de Vila Velha, explicou que o projeto vai ajudar a potencializar essas mulheres e seus negócios, dando ferramentas para este crescimento. 

"Esse projeto vem para potencializar todas empreendedoras aqui do Estado, e não apenas mulheres negras. Nessa pandemia, todas sofreram com os impactos e agora viemos somar, trazendo mais força, experiência e conhecimento para que elas cresçam também", disse.

Bárbara é empreendedora no ramo da moda e já participou de outros treinamentos do Instituto das Pretas. Desde 2018, ela comercializa itens de moda afro voltados para mulheres negras. Com a ajuda da internet, ela diz que tem visto o negócio crescer.

"Durante esse período tivemos altos e baixos como todos os empreendedores, mas temos tido um crescimento e alcançado um reconhecimento importante para esse tipo de negócio, que é o boca a boca", contou a dona do Barbarizy.

A ação faz parte do Energizze, projeto de empoderamento desenvolvido pelo Instituto das Pretas para impactar negócios no âmbito sociocultural e econômico, com foco no território capixaba. Idealizado a partir de uma demanda da EDP, o projeto foi reformulado em 2020 levando em consideração o contexto atual de isolamento e a crescente demanda por formas de geração de renda e planejamento financeiro com diálogos e formações realizadas de forma remota e on-line.

O Instituto das Pretas é um laboratório de inovação social que atua no enfrentamento às violências contra a juventude e as mulheres negras através da construção de soluções de impacto social nas áreas da cultura, da educação, do empreendedorismo e da tecnologia. Há seis anos no mercado do Espírito Santo, a organização é responsável por inúmeros projetos como o Festival Encontro das Pretas, segundo maior evento de cultura negra do país e o primeiro do Estado.

SERVIÇO

Inscrições: de 8 a 18 de março

Quem pode se inscrever: serão contempladas pessoas que residem e possuem negócios em região periférica nos estados do Espírito Santo e São Paulo e nunca participaram de outro projeto de aceleração. Além disso, possuem prioridade mulheres negras, indígenas, acima de 35 anos, mães solo e população LGBTQIAP+.

Premiação: 1º lugar: R$ 10 mil e 1 notebook; 2º lugar R$ 7 mil; 3º lugar R$ 5 mil. Além da bolsa permanência no valor R$ 400 para todos os negócios contemplados.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.