ASSINE

Dexametasona: medicamento pode ser usado em pacientes internados em estado moderado

Resultados preliminares de uma pesquisa colocam esse corticoide como o primeiro remédio capaz de diminuir o risco de morte em pacientes com Covid-19. Pessoas em casa não devem usar o medicamento

Publicado em 26/06/2020 às 11h57
Atualizado em 26/06/2020 às 11h57
Coronavírus (covid-19)
O medicamento é somente para pacientes internados, não tem indicação para pessoas que estão em casa. Crédito: Freepik

A dexametasona pode ser o primeiro remédio que comprovadamente reduziu mortes causadas pela covid-19. Segundo um consórcio de pesquisadores britânicos — chefiados pela Universidade de Oxford — o medicamento aumentou a chance de sobrevivência entre pacientes com casos graves da covid-19 e houve redução de um terço dos óbitos em pacientes que precisavam de tratamento com oxigênio.

O medicamento da classe dos corticoides é recomendado para aliviar inflamações e tratar doenças que requeiram ação imunossupressora, como a artrite, alergias e asma. Ele já era amplamente utilizado no Estado para tratamentos de pacientes graves com covid-19, que estavam em UTI utilizando ventilação mecânica. "A novidade é que a dexametasona passa a ser utilizada em pacientes moderados, que precisam de suplementação de oxigênio. A gente já  usava no Espírito Santo, não necessariamente esse corticoide , mas até mesmo outros da mesma classe. De qualquer forma ele só é indicado para pacientes internados, não tem indicação para pacientes que estão em casa", explica a infectologista  Rúbia Miossi. 

A médica conta que a dexametasona entra como um dos medicamentos para tratamento dos pacientes da covid-19 na fase de inflamação, que é a fase da segunda semana da doença, quando o paciente tem necessidade do uso de oxigênio. "Ela age justamente como um anti-inflamatório de alta potência, diminuindo a inflamação que é a resposta que nosso organismo da ao contato com o vírus. Algumas pessoas, ao ter o contato com o coronavírus, por volta do sétimo dia, ao invés de responderem adequadamente na parte inflamatória, com a eliminação do vírus e melhora, têm uma reação inflamatória exagerada. E essa resposta inflamatória precisa  ser controlada com essa medicação".

Uso restrito

Não é qualquer paciente que pode fazer uso da dexametasona. A infectologista Marina Da Rós Malacarne diz que o estudo mostrou nível de eficiência para pacientes que estão em uso de oxigênio, entubados ou não. Por isso, não é qualquer paciente com coronavírus, em qualquer fase, que pode usar. "O recomendado é para pessoas em fases mais tardias da doença, utilizando oxigênio. Lembrando que os corticoides podem aumentar a pressão, desencadear ou aumentar o diabetes. E não devem ser usados sem acompanhamento médico". A médica ressalta ainda que o uso do medicamente não pode ser parado abruptamente, para  evitar outros problemas hormonais. "As pessoas não podem sair comprando remédio e tomando por conta própria", alerta.

Vale ressaltar que a dexametasona não é a cura para a doença. "Não temos uma cura para a covid-19. Temos um controle sintomático e suporte médico. São um conjunto de fatores que fazem o paciente melhorar", explica Marina Da Rós Malacarne. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.