ASSINE

Cúrcuma e açafrão: saiba a diferença entre elas e conheça benefícios

Estudos demonstram que, além do aroma, cor e sabor, esses dois ingredientes têm muito mais a oferecer

Publicado em 14/11/2019 às 12h03
Cúrcuma e açafrão: saiba os benéficios  . Crédito: Pixabay
Cúrcuma e açafrão: saiba os benéficios . Crédito: Pixabay

Quando se trata de saúde, é sempre bom lembrarmos que a nossa alimentação e, principalmente, os alimentos que escolhemos consumir têm um impacto primordial sobre como nos sentimos física e mentalmente. Muitos temperos e especiarias que acrescentamos a nossos pratos são bastante reconhecidos por suas propriedades terapêuticas. Um exemplo é a cúrcuma (fonte de curcumina) e o açafrão. Segundo um artigo publicado no jornal Foods, a curcumina está sendo reconhecida e usada em todo o mundo sob muitas formas e para múltiplos benefícios potenciais para a saúde.

No Japão, o açafrão-da-terra – que contém a curcumina – é servido no chá; na Tailândia, em cosméticos; na China, é usado como corante; na Coréia, é servido em bebidas; na Malásia, é utilizado como antisséptico; no Paquistão, como agente anti-inflamatório; nos Estados Unidos, é colocado em molhos de mostarda, queijo, manteiga e batatas fritas, como conservante e agente colorante, além de estar presente em cápsulas para a saúde. Mas esses são só alguns dos múltiplos usos das especiarias.

Cúrcuma ou açafrão: você sabe a diferença?

A cúrcuma (curcuma longa) é conhecida também como açafrão-da-terra, possui um rizoma subterrâneo e é da mesma família do gengibre. Já o açafrão é proveniente dos estigmas de flores da planta crocus sativus. São duas plantas distintas, mas com cores bastante parecidas e, propriedades medicinais semelhantes.

A cúrcuma sempre foi muito utilizada por populações do sul da Ásia, em pratos com o famoso molho curry, por exemplo. Já o açafrão, foi e continua sendo muito utilizado pelas populações próximas ao Mediterrâneo - principalmente nos pratos conhecidos como paellas.

Açafrão: propriedades antioxidantes

Estima-se que o açafrão seja cultivado há mais de 3.500 anos, por várias civilizações, culturas e continentes. Ao longo da história, sempre foi uma das substâncias mais caras do mundo, justificadamente: cada flor possui somente três estigmas, sendo que, para obter 1kg da especiaria, são necessárias, em média, 225 mil estigmas, ou seja, 75 mil flores.

Muitos estudos indicam que as propriedades encontradas no açafrão são atribuídas em especial aos carotenoides - crocina e safranal -, com propriedades antioxidantes e coletores seletivos de radicais livres. “O açafrão vem mostrando efeitos positivos em aplicações ainda mais abrangentes, incluindo antidepressivas e anticonvulsivantes, analgésicas, anticâncer e outros efeitos terapêuticos em diferentes partes do corpo, como cardiovascular, imunológico, visual, respiratório, geniturinário, sistema nervoso central e para desordens digestivas”, explica a médica Elisa Urban.

Para se ter uma ideia do potencial antioxidante de uso diário desse alimento, um estudo clínico mostrou que 50mg de açafrão dissolvido em 100ml de leite, ingerido duas vezes ao dia, diminuiu a suscetibilidade à oxidação de lipoproteínas, protegendo assim de doenças cardiovasculares.

O que é a curcumina?

Além de conhecida como açafrão-da-terra, a cúrcuma também é conhecida como turmérico, açafrão-da-índia, açafroa, raiz-de-sol, gengibre-amarelo, e tem sido associada a muitos benefícios, desde a redução de processos inflamatórios até a melhora da saúde cerebral; isso devido a presença de fitoquímicos denominados curcuminoides encontrados em grande quantidade nos rizomas da planta.

Os curcuminoides são pigmentos que possuem poderosas propriedades: antioxidantes, antimicrobianas, anti-inflamatórias e moduladora do sistema imune. Dentre esses curcuminoides, a curcumina é o principal: representa 77%.

Na área da saúde, a curcumina, com seu tom amarelo-ouro vibrante, atua como um anticancerígeno, ajuda a reverter a resistência à insulina, a equilibrar o nível de colesterol ao reduzir o colesterol de baixa densidade (LDL) e triglicerídeos. Ainda, age também como um coletor seletivo de radicais livres (prevenindo assim o dano oxidativo do DNA), reduz a inflamação sistêmica por regular marcadores inflamatórios e também melhora os sintomas de artrite.

Como aproveitar ainda mais a cúrcuma e a curcumina?

Para que a cúrcuma leve benefícios medicinais, através da curcumina, a forma e a concentração são essenciais. Tradicionalmente, na culinária, quando comprada em mercados e feiras a especiaria em pó, o rizoma da planta se encontra seco e moído. O sabor é um pouco amargo, sendo muito usado em pós de curry, mostardas, manteigas e corantes. Nesses casos, a curcumina representa apenas aproximadamente 3% da concentração – quantidade não suficiente para benefícios significativos.

Já é possível encontrar o extrato de cúrcuma padronizado com 95% de concentração. A procedência e padronização do extrato são fundamentais, pois qualidade tem custo e características bem definidas.

“A biodisponibilidade da curcumina é muito baixa por ser rapidamente metabolizada e eliminada pelo fígado, por isso, sua associação à piperina, um composto natural encontrado na pimenta-preta, ajuda na absorção. Boas fontes de gorduras como a do coco, também potencializam a absorção, uma vez que a cúrcuma é uma substância lipofílica, ou seja, é melhor absorvida em um meio gorduroso”, esclarece a médica.

Atualmente, também são utilizadas formas farmacêuticas como a formulação que usa a nanotecnologia (nanocurcumina) associada à ciclodextrina ou outro componente que favoreça a absorção. Outra forma de uso é por meio dos fitoquímicos, também conhecidos como compostos bioativos. 

Ao utilizar o rizoma do açafrão-da-terra na culinária, ralado ou em pó, mesmo que a concentração da curcumina seja inferior à forma padronizada, certifique-se de adicionar pimenta-preta e boas fontes de gordura. Dessa forma, você garantirá melhores benefícios desses nutrientes. Essa é uma das bases de uma receita popular de origem asiática: o golden milk. Uma bebida preparada com leite (animal ou vegetal) e especiarias como a pimenta-preta, canela e cúrcuma.

A receita, difundida na medicina ayurvédica, reforça a importância do equilíbrio entre corpo e mente: trata-se de um elixir rico em compostos bioativos que se complementam e com diversos benefícios terapêuticos.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.