Coronavírus: mesmo de máscara, exercício ao ar livre deve ser evitado

Infectologista alerta para alto risco de contágio durante atividade física e afirma que usar a máscara ao se exercitar pode causar mal-estar

Publicado em 24/04/2020 às 16h02
Na orla das praias de Itaparica, Itapoã e Praia da Costa algumas pessoas estão atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus
Na orla das praias de Itaparica, Itapoã e Praia da Costa algumas pessoas estão atendendo a determinação do governo de usar máscara de proteção contra o coronavírus. Crédito: Carlos Alberto Silva

Durante o isolamento, algumas pessoas estão mantendo (ou adotaram) o hábito de realizar atividade física ao ar livre, correndo ou caminhando na praia, por exemplo. Isso porque, a princípio, dessa forma, seria possível manter a distância de 1,5 a 2 metros dos outros praticantes, o que é recomendado para evitar a contaminação pelo coronavírus.

Entretanto, um estudo europeu recente revelou que esse distanciamento mínimo indicado na prevenção da Covid-19 pode não se aplicar para quem está em movimento. Uma simulação feita por cientistas da Bélgica e da Holanda mostrou que, ao caminhar ou correr, um indivíduo pode exalar ou inalar microgotículas contendo vírus num raio muito maior, de até 10 metros. A pesquisa europeia apontou ainda que, quanto maior a velocidade do exercício, maior a distância que precisaria ser mantida para evitar o contato com as partículas.

Isso significa que, se a pessoa for portadora assintomática do SARS-CoV-2, pode espalhar o vírus por uma área muito maior. Assim como os praticantes de atividades físicas também correm mais risco de se contaminar porque podem entrar em “nuvens” que contenham coronavírus em suspensão (o vírus sobreviveria até 3 horas suspenso no ar, de acordo com estudos feitos nos Estados Unidos).

A infectologista da Unimed Vitória Rubia Miossi destaca que a recomendação continua sendo a mesma: quem puder ficar em casa, não saia, nem mesmo para fazer atividades físicas ao ar livre. "O ideal é fazer exercício em casa mesmo. É muito mais seguro para todos. Com sintomas de gripe, então, mesmo que leves, não saia de jeito nenhum", recomenda.

Algumas pessoas também estão optando por usar máscara durante as atividades físicas ao ar livre. Mas a médica alerta que isso também não é indicado. “A máscara pode gerar desconforto respiratório na hora do exercício e causar mal-estar ou até mesmo um desmaio, em alguns casos”. Por isso, a especialista reforça: “O certo é não praticar nenhuma atividade fora de casa”.

Rúbia Miossi enfatiza que a medida de segurança principal neste momento de pandemia é o máximo de afastamento possível entre as pessoas. “É a melhor forma de contermos a proliferação do vírus".

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.