ASSINE

Ensino híbrido: os benefícios e desafios de uma nova escola pós-pandemia

O ensino remoto não substitui o presencial, nem o contrário, porque as duas experiências coexistem de modo integrado em um caminho de aprendizado permanente

Publicado em 08/10/2021 às 02h01
Sala de aula, ensino presencial
Sala de aula: a permanência do presencial é fundamental porque valoriza o afeto e traz uma possibilidade de conexão mais humana. Crédito: Pixabay
  • Simony Leite

O enfrentamento dos impactos da pandemia sobre a rotina da escola aprofundou os debates em torno da educação híbrida como caminho para um novo jeito de ensinar, estudar e aprender. É um terreno cheio de nuances, em que devem entrar na conta tanto os prejuízos com o baixo índice de inclusão digital no Brasil, quanto os benefícios trazidos pelas novas tecnologias. 

De acordo com a doutora em Educação Maria Inês Fini, a educação híbrida é a combinação do processo de ensino-aprendizagem presencial com atividades remotas. E ressalta: o ensino remoto não substitui o presencial, nem o contrário, porque as duas experiências coexistem de modo integrado em um caminho de aprendizado permanente, criativo e engajado.

Maria Inês Fini

Presidente da Associação Nacional de Educação Básica Híbrida (ANEBHI)

"Muitas vozes novas foram incluídas na escola. As famílias que eram coadjuvantes passaram a ser protagonistas. A sala de visita virou sala de aula. Os professores viraram youtubers e usaram o que tinham para se comunicar dentro deste novo ecossistema escolar"

Para Maria Inês, não existe um modelo padrão de educação híbrida, pois cada escola, a partir das características dos professores, das famílias e dos estudantes, constituirá o método como se dará esta combinação de modo a contribuir com a maior autonomia do pensamento, interação e motivação dos alunos, com a valorização do papel de orientação do professor e com a ampliação da jornada escolar.

“A escola montará um outro projeto pedagógico com divisões de tarefas entre o presencial e o remoto, com metodologias, recursos e sistema de avaliação. Neste momento, a metodologia ativa mais facilmente usável é a de projetos. O aluno irá pesquisar, discutir ideias, questionar e aprender a organizar argumentos, independente do uso ou não de plataformas digitais”, explica a presidente da ANEBHI.

Segundo o doutor em Educação Carlos Fabian de Carvalho, membro do Fórum Estadual de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e professor da Rede de Ensino de Vitória, houve um esforço formativo dos professores para utilização das plataformas, aplicativos e metodologias ativas. No entanto, grande parte dos estudantes da rede pública não teve acesso aos recursos digitais no mesmo momento em que suas famílias enfrentavam a falta de alimento, de moradia e de emprego.

Ensino remoto
Professores tiveram que aprender e mexer com a tecnologia para oferecer as aulas pela internet. Crédito: Pixabay

“A tecnologia é fundamental e pode agregar muito se vier atrelada a políticas intersetoriais de geração de renda e emprego, de formação de espaços de inclusão digital, de ampliação da cultura local, de alfabetização e de combate ao déficit educacional agravado pela perda do tempo de vida escolar”, pondera Fabian.

O MELHOR DE CADA SITUAÇÃO

Na avaliação do vice-presidente do Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Espírito Santo (Sinepe-ES), Eduardo Gomes, a permanência do modelo presencial é fundamental, porque valoriza o afeto e traz uma possibilidade de conexão mais humana. Ao mesmo tempo, o aprendizado no modelo remoto abre novas possibilidades de interação e descobertas, que incluem o intercâmbio entre escolas.

Ensino remoto
Ensino remoto dá a possibilidade de alcançar realidades que antes os alunos não teriam. Crédito: Pixabay

“Por exemplo, posso ter um professor de uma escola de Manaus falando com os meus alunos a respeito do Rio Amazonas com muito mais propriedade de vivência. O modelo remoto, dentro do ensino híbrido, me dá a possibilidade de alcançar realidades que antes eu não teria. Isso não está restrito ao remoto exclusivo, porque estas interações podem acontecer a partir dos equipamentos da sala numa aula presencial”, cita Eduardo.

De acordo com o representante do Sinepe-ES, o conceito híbrido é um aprendizado em construção que envolve investimento em equipamentos e serviços tecnológicos, a elaboração de metodologias e a recondução dos projetos de escola para a superação da dinâmica tradicional da sala de aula baseada apenas na transmissão de informação.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Educação Ensino Ensino a Distância Encontro de Pais e Mestres

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.