ASSINE

Educação: o ser humano no centro da evolução digital

Uso de recursos tecnológicos na sala de aula deve estar sempre orientado para o desenvolvimento amplo dos estudantes, aprimorando habilidades como criatividade, empatia e sociabilidade

Vitória
Publicado em 07/10/2021 às 02h20
Escolas vem adotando novas ferramentas digitais para desenvolver criatividade e estimular a interação social
Escolas vem adotando novas ferramentas digitais para desenvolver a criatividade e estimular a interação social. Crédito: Alena Darmel/ Pexels

Gadgets, apps, plataformas virtuais e hiperconexão já são uma realidade na maioria das escolas, e não mais um desenho para o futuro. Muito embora o acesso a essas ferramentas ainda seja desigual, é inegável a transformação que elas trouxeram para o processo de aprendizagem. A pandemia de Covid-19 apenas acelerou a digitalização do ensino, que já estava em curso.

Mas a tecnologia faz muito mais do que inserir novas metodologias de ensino, como games e visitas virtuais. Ela também impacta o comportamento e as formas de interação no ambiente escolar. Todos esses novos recursos, portanto, têm chamado a atenção para a socialização, a formação de consciência crítica e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais.

Ao contrário dos temores de alguns, a tecnologia, quando bem utilizada, não desumaniza a educação. São mudanças que, segundo a diretora do Centro Lemann de Liderança para Equidade na Educação, Anna Penido, colocam o ser humano no centro do processo. “A pandemia nos mostrou como a tecnologia é útil e pode potencializar a aprendizagem, mas que sozinha não é capaz de promover o desenvolvimento pleno do estudante. É o ser humano que vai mostrar como se adaptar a essa realidade e se relacionar com ela” , afirma.

Penido ressalta que “não há transformação digital sem transformação humana” e isso envolve trabalhar todas as dimensões do estudante: cognitiva, física, social, emocional e cultural. Também implica repensar o modelo tradicional de aprendizado. “É na vivência de experiências concretas que você vai aprendendo a se relacionar com outro, a equilibrar as emoções, a colaborar”, destaca a especialista.

Anna Penido

Diretora do Centro Lemann de Liderança para Equidade na Educação

"A pandemia nos mostrou como a tecnologia é útil e pode potencializar a aprendizagem, mas que sozinha não é capaz de promover o desenvolvimento pleno do estudante. É o ser humano que vai mostrar como se adaptar a essa realidade e se relacionar com ela"

Um exemplo de espaço em que a tecnologia é uma ferramenta poderosa para aumentar o protagonismo do estudante é a escola  São Domingos, em Vitória. Por lá, as ferramentas são vistas como uma forma de melhorar a condição humana, principalmente os aspectos socioemocionais, como conta o gerente de Operações do colégio, Henrique Romano.

“Desenvolvemos um trabalho para garantir acolhimento e aprendizagem dos alunos, que é voltado ao indivíduo. Isso requer um olhar específico do professor, porque é ele que vai auxiliar o aluno a navegar nesse mundo caótico de informação. A tecnologia só está ali para oferecer recursos nesse processo”, afirma. 

O investimento é, portanto, em uma formação integral focada em vínculos humanos, principalmente no que é estabelecido entre o professor e o aluno. A relação mais próxima tem impacto no interesse dos estudantes pelas disciplinas. Segundo Romano, durante a pandemia, a escola observou uma tendência entre os estudantes de preferir vídeos caseiros feitos pelos próprios professores do que conteúdos multimídias disponíveis em diferentes plataformas digitais.

“Existe uma relação de confiança entre professor e aluno que tecnologia nenhuma vai ser capaz de construir. A conversa, o convívio e o contato continuam sendo os grandes diferenciais no processo formativo nas escolas”, atesta o gerente. 

Na escola São Domingos, tecnologia é uma ponte para fortalecer vínculos humanos, principalmente entre o professor e o aluno
Na escola São Domingos, tecnologia é uma ponte para fortalecer vínculos humanos, principalmente entre o professor e o aluno. Crédito: Gabriel Lordêllo/ Mosaico Imagem

A opinião é compartilhada pela diretora de conteúdo da Bett Educar, organização que coordena o maior evento de educação e tecnologia da América Latina, Adriana Martinelli. Para ela, a forma como a relação do ser humano com a tecnologia é construída vai influenciar diretamente na aprendizagem. 

Adriana Martinelli

Diretora de conteúdo da Bett Educar

"Fala-se muito que a tecnologia mudou a educação e ela realmente mudou. Mas não podemos esquecer como essa tecnologia é trabalhada, que a relação de aprendizagem precisa ser construída com qualidade, levando em conta o respeito, a empatia e a diversidade"

Martinelli chama a atenção, por exemplo, para o simples ato de fechar as câmeras nas aulas on-line, algo que foi amplamente debatido durante a pandemia. Na relação presencial, o aluno não tinha a opção “de se esconder”. Mas, neste novo ambiente digital, há muitos alunos que não querem ou têm dificuldade para abrir a câmera durante uma aula.

“Eu, como professor, tenho que respeitar isso, mas acima de tudo procurar identificar de que forma eu posso ajudar no relacionamento e na sociabilidade do aluno. Isso é qualificar a relação de aprendizagem”, ressalta.

O problema de sociabilidade exposto pela dificuldade de abrir uma câmera foi identificado por meio de tecnologia, mas não pode ser resolvido por ela. É necessário um olhar humano para pensar em estratégias para ajudar o estudante a superar aquela dificuldade.

Na avaliação da coordenadora pedagógica do colégio Marista, Jacqueline Dias, esse é o papel da escola. “Esta era tecnológica não vai embora e ela precisa estar a favor do processo de aprendizagem e da formação da criança. A tecnologia precisa servir ao ser humano e não o ser humano servir a ela. Nada vai substituir a presença do professor, o valor dele para entender o indivíduo”, pontua.

No Marista, recursos tecnológicos são usados em favor do processo de formação dos alunos
No Marista, recursos tecnológicos são usados em favor do processo de formação dos alunos. Crédito: Bruno Barreto/ Marista

Para a psicóloga e professora da Faesa Caroline Bezerra, o grande desafio ainda é despertar no sistema educacional o entendimento de que desenvolver habilidades socioemocionais é também responsabilidade das escolas, não apenas da família.

“Precisamos analisar todo o processo de ensino-aprendizagem, voltar o olhar menos para um currículo técnico e mais para uma formação humanizada. É fundamental que a escola atue para assegurar o convívio social dos alunos e professores no ambiente digital, preservar relações e construir uma interação ao longo desse processo. O ser humano precisa mudar junto com a tecnologia, não se tornando refém, mas a tendo como grande aliada”, acredita.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Educação Escolas particulares Escolas Públicas Encontro de Pais e Mestres

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.