ASSINE

De heróis a fadinhas: pratas brasileiras em Tóquio inspiram skatistas capixabas

Conquistas de Rayssa Leal, de 13 anos, e Kelvin Hoefler nas Olimpíadas do Japão servem de combustível para a nova (e velha) geração de praticantes capixabas da modalidade

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 31/07/2021 às 10h02

Conquista de medalha olímpica inspira skatistas capixabas

A história começa como um conto de fadas. Passa pela jornada do herói, com a queda, a superação e a conquista. E, como no cinema, inspira e emociona muitas outras pessoas. As medalhas de prata conquistadas por Rayssa Leal e Kelvin Hoefler no skate, na estreia da modalidade em Jogos Olímpicos, são dignas de um filme de hollywood.

Para a pequena Ana Clara Araújo, de 14 anos, ver o skate no maior evento esportivo do mundo é também a afirmação de que uma prática considerada marginalizada pode sim ocupar o Olimpo.

"Foi ótimo, uma coisa incrível. Porque além de ser uma inspiração, foi ótimo porque o skate brasileiro nunca foi muito valorizado, sempre foi marginalizado. Então foi incrível!", comemorou.

Conquista de medalhas inspiram capixabas no skate.
Medalhas em Tóquio inspiram nova geração do skate capixaba. Crédito: Rodrigo Gavini

Para o Matheus Araújo, de 18 anos, a chegada do skate nas Olimpíadas até demorou. Ele contou que pratica o esporte há seis anos e, de acordo com ele, as pistas já se tornaram sua segunda casa. Por isso, ele fez questão de acompanhar as provas de Rayssa e Kelvin. 

13 anos

Com esta idade, Rayssa tornou-se a mais nova medalhista do Brasil

"Eu estava até trabalhando no momento, mas falei 'não vou perder por nada'. Coloquei o celular no cantinho e assisti. Só não gritei porque estava em ambiente de trabalho. Se não, gritava muito, jogava skate pro lado", exclamou.

E não foram apenas as novas gerações que foram tocadas pela conquista em Tóquio. Lauro Almeida Salles, presidente da Federação Capixaba de Skate, afirmou que a medalha foi uma luz no fim do túnel para a modalidade.

Conquista de medalhas inspiram capixabas no skate.
Considerado marginal, o skate passou por um caminho difícil até se concretizar como esporte reconhecido. Crédito: Rodrigo Gavini

"Isso foi a luz no fim do túnel que a gente precisava. Os donos endoidaram, de tanto skate que vendeu só pra menina. Tem dono de loja em grupo de whatsapp dizendo 'cara, chegaram aqui dez meninas, compraram skate'", disse.

Com as conquistas, os olhos do mundo se voltaram para o skate do Brasil. E, agora, é possível dizer que todos os brasileiros acreditam em fadas e heróis.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.