ASSINE

OMS afirma que China deve fornecer dados sobre origens da Covid-19

Segundo o órgão, a China resiste em entregar dados importantes para o entendimento da origem do novo coronavírus; adversários políticos criticam regime chinês

Publicado em 15/07/2021 às 14h23
O líder da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, também revelou que a iniciativa Covax visa acelerar a imunização global
O líder da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que as investigações sobre as origens da pandemia de covid-19 na China estão sendo prejudicadas pela falta de dados. Crédito: Reuters/Folhapress

O chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que as investigações sobre as origens da pandemia de covid-19 na China estão sendo prejudicadas pela falta de dados brutos sobre os primeiros dias da disseminação do vírus no local e pediu ao país para ser mais transparente.

Uma equipe liderada pela OMS passou quatro semanas na cidade de Wuhan, na província de Hubei, com pesquisadores chineses e disse em um relatório conjunto publicado em março que o vírus provavelmente foi transmitido de morcegos para humanos por meio de outro animal.

Essa equipe disse que "a introdução por meio de um incidente de laboratório foi considerada um caminho extremamente improvável", mas países como os Estados Unidos e alguns cientistas não ficaram satisfeitos.

"Pedimos à China que seja transparente e aberta, e que coopere", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (15).

"Devemos isso aos milhões que sofreram e aos milhões que morreram para saber o que aconteceu", disse ele.

A China tem classificado a teoria de que o vírus pode ter escapado de um laboratório de Wuhan como "absurda" e disse repetidamente que "politizar" a questão dificulta as investigações.

Ghebreyesus informará aos 194 Estados-membros da OMS sobre uma proposta de segunda fase do estudo, disse o especialista em emergências da OMS, Mike Ryan.

"Esperamos trabalhar com nossos parceiros chineses nesse processo e o diretor-geral definirá medidas aos Estados-membros em uma reunião amanhã, na sexta-feira", disse Ryan.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.