ASSINE

China sinaliza fim do consumo da carne de cachorros

Cães são reclassificados como animais de estimação na China. A medida foi tomada após cientistas suspeitarem que o novo coronavírus tenha sido passado para seres humanos a partir dos animais

Publicado em 11/04/2020 às 09h35
Cachorro, animal de estimação, pet
Cães são reclassificados como animais de estimação na China e o consumo do animal passa a ser proibido. Crédito: Pixabay

Em uma ação histórica, o governo chinês elaborou novas diretrizes para reclassificar cães como animais de estimação e sinalizou que eles não serão mais considerados animais para consumo.

A medida, como parte de uma resposta pós-pandemia de coronavírus, foi comemorada por entidades de defesa animal. "Esta proposta pode sinalizar um divisor de águas para a proteção dos animais na China", disse Wendy Higgins, porta-voz da Humane Society International.

Ao informar sobre a mudança, o Ministério da Agricultura citou o progresso da civilização humana, a preocupação pública e o amor pela proteção dos animais. "Os cães foram - especializados - para se tornarem animais de companhia, e internacionalmente não são considerados animais para consumo, e não serão regulamentados como animais para consumo na China", disse a pasta, segundo Reuters.

O projeto foi aberto na última quarta (8) para consulta pública e listou 18 espécies tradicionais de animais para consumo, incluindo gado, porcos, aves e camelos. Também adicionou 13 espécies "especiais" que também estariam isentas de restrições ao comércio de animais selvagens, como renas, faisões, avestruzes e raposas, de acordo com a agência de notícias. A população pode opinar até 8 de maio. Depois, se aprovado, pode virar lei em todo o país.

A carne de cachorro é uma tradicional iguaria em diversas regiões da Ásia, embora grande parte da população não tenha esse hábito, que tem perdido força também entre os mais jovens.

Ainda assim, a Humane Society International estima que cerca de 10 milhões de cães ainda são mortos todos os anos na China para que sua carne seja consumida. A cidade de Yulin, na região de Guangxi, realiza anualmente um festival com essa finalidade.

Cientistas suspeitam que o novo coronavírus tenha passado para seres humanos a partir de animais. Algumas das primeiras infecções foram descobertas em pessoas expostas a um mercado de animais silvestres na cidade de Wuhan.

Após a epidemia, autoridades chinesas proibiram a criação, o comércio e o consumo de animais selvagens. Recentemente, cidade de Shenzhen, no sul, foi a primeira a proibir o consumo de cães e gatos.

A Gazeta integra o

Saiba mais
China cachorro

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.