ASSINE

"Brasileiro não tem sossego", lamenta leitor sobre vacinas trocadas

Pelo menos 16,5 mil pessoas no Brasil têm registro de primeira dose da vacina da Coronavac e a segunda dose da Astrazeneca ou vice-versa. No Espírito Santo, são 523 casos registrados

Publicado em 27/04/2021 às 10h02
Vacinas Coronavac e Astrazeneca, em uso no plano de imunização do Brasil
Vacinas Coronavac e Astrazeneca, em uso no plano de imunização do Brasil. Crédito: Felipe Dalla Valle/ Palácio Piratini

ERRO NA VACINAÇÃO

Mais de 500 pessoas tomaram doses trocadas de vacina da Covid-19 no ES (Cotidiano, 23/04). As embalagens são diferentes, os pacientes têm o cartão de vacina... por que não fazem a conferência na hora de aplicar? É só olhar o rótulo. (Sara Queiroz)

Problema de um país que não investiu em sistema de informação e prontuário integrado no SUS. Não adianta culpar o usuário, nem o profissional. (Bruno Fiorin)

A minha mãe tomou a Coronavac e foi colocado no cartão dela Astrazeneca. Graças a Deus que a funcionária viu o erro e entrou em contato com ela para poder acertar o cartão. (Moabi Rodrigues)

O brasileiro não tem um dia de sossego! Isso porque é registrado em sistema e anotado no cartão. Imagina se não houvesse controle. Triste! (Talita da Rós)

Há que se considerar a gestão das próprias unidades de saúde e o acompanhamento que seus gestores fazem (ou deveriam fazer) nas rotinas dos servidores. Também considerar as gestões municipais das secretarias de Saúde, bem como refletirmos a urgente necessidade de se avaliar também a formação desses agentes, que, pela prática, já concluímos ser deficitária. Precisamos cobrar de cada um aquilo que lhe é obrigação e competência. Não é o governador que vai responder pela ação de um agente de saúde. Este responde à sua chefia imediata. (Philippe Modolo)

FALTA DE DOSES

Brasil deve receber 14,5 milhões de doses a menos que o previsto em maio (Brasil, 25/04). Temos um presidente que nunca se preocupou por vacina... Uruguai e Chile com mais gente vacinada do que o Brasil, proporcionalmente, em Israel o povo não mais usando máscara, nos EUA pessoas acima de 16 anos todas vacinando... já aqui: cloroquina. (Roberto Vieira)

FEMINICÍDIO

Jovem morta em Cariacica foi ameaçada pelo ex um dia antes, diz família (Polícia, 25/04). Só quem já passou por um relacionamento abusivo sabe como isso funciona. Você pode ter 15 ou 50 anos, quando se está em um relacionamento assim é difícil sair, é difícil enxergar. Por favor, parem de julgar a vítima! Parem de julgar a família! Tenham empatia! (Vivian Santos)

No passado conheci uma pessoa que era o máximo, ajudava a todos e isso me chamou atenção. Me envolvi e, um tempo depois, fomos morar juntos. Menos de um mês depois, descobri que ele era possessivo, eu nao podia ir na casa da minha família, pois era ameaçada. Fiquei 12 anos com ele. Depois que meu filho nasceu e começou ver as coisas que aconteciam comigo, tomei coragem, fui para a cidade de onde era minha família. Ele até tentou me manter sob as ordens dele, mas Deus me livrou. Hoje já se passaram 11 anos, não gosto nem de lembrar o que vivi. Às vezes as pessoas julgam sem conhecer a verdadeira história. Lamentável ver como a vítima vira o vilão depois que morre. (Cristiane Dias)

"Ah, mas ela escolheu namorar vagabundo”. Pelo amor de Deus, né, gente? Você lembra do policial civil que matou a esposa médica? Já vi advogada, médica, enfermeira que dizem namorar "homens de bem", mas que foram mortas pelos companheiros. Parem de culpar a vítima, parem de julgar, juízes da vida alheia. Qualquer uma de nós estamos propícias, namorando qualquer tipo de homem. Mais empatia com a família da vítima, com a mãe, que está passando por uma situação difícil. (Raquel André)

TRANSPORTE PÚBLICO

Ônibus do Transcol poderão circular de segunda a sábado (Cotidiano, 23/04). A população nunca teve consciência, andam sempre sem máscaras e adoram se aglomerar. Os órgãos públicos deveriam fazer uma fiscalização mais rígida, mas tem medo de não ganhar votos nas próximas eleições! (Luceli Ferreira Pacheco Costa)

Saiu do risco extremo e vai voltar para o risco extremo. As medidas não dão certo, porque não há persistência, fundamento.... É tudo muito vago. Uma leve melhora é sim um sinal de alegria, mas,não para liberar. (Rafael Pereira)

Deveria ter álcool nos ônibus também. Dizem que os ônibus são higienizados, mas nem cheiro de cloro a gente sente. O que adianta? Isso deveria ser fiscalizado também. (Eliete Montovanelli)

Saímos do risco extremo entramos no grave. Por mim, deixaria mais um pouco como está. (Rosimere Monjardim)

Péssimo. Ainda estamos em uma situação alarmante e não era para ter liberado esse monte de coisas, não. Depois do Dia das Mães o mapa volta a ficar vermelho escuro. (Tathi Melki)

Se a população em todo o país respeitasse uma simples regra, nada disso estaria acontecendo. Lamentável isso. Muitas pessoas saindo sem necessidade nenhuma de sair de casa indo para praias, shoppings, festas clandestinas. E a culpa é de quem? Delas mesmas. Aí fica difícil fazer alguma coisa, se a maioria não colabora. Muito difícil mesmo, viu. Sinceramente já entreguei nas mãos de Deus e seja o que Ele quiser. Fazendo a minha parte está tudo certo. (Lu FranBra)

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.