ASSINE
No início da atual gestão, eram 95 agentes da Guarda Municipal e, agora, a equipe conta com 156 homens e mulheres no enfrentamento à violência.
No início da atual gestão, eram 95 agentes da Guarda Municipal e, agora, a equipe conta com 156 homens e mulheres no enfrentamento à violência. . Crédito: PMS/Divulgação

Investimento em segurança é uma das prioridades na Serra

Ampliação da equipe da Guarda Municipal, melhoria em equipamentos e a adoção de novas tecnologias são algumas das estratégias para reduzir os índices de violência no município

Tempo de leitura: 3min
  • Prefeitura da Serra

  • Estúdio Gazeta

    O Estúdio Gazeta é o time de produção de conteúdo para anunciantes da Rede Gazeta, com estrutura independente da Redação de A Gazeta/CBN.
Publicado em 07/12/2021 às 21h01

Para reduzir a criminalidade na maior cidade do Estado, o investimento em segurança pública tornou-se prioridade. Além de contar com suporte das Polícias Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros, a administração municipal também está destinando esforços para a área.

Uma das estratégias foi a reestruturação da Guarda Municipal. No início da atual gestão, eram 95 agentes e, agora, a equipe conta com 156 homens e mulheres no enfrentamento à violência.

“Isso nos permitiu avançar em algumas ações, como o Serra Segura. São visitas aos bairros com maiores índices de violência. Em parceria com as polícias, deslocamos uma viatura exclusiva para o bairro, realizamos visitas nas associações de moradores e também nos comércios, além das rondas comunitárias em escolas, postos de saúde, praças e nas praias”, destaca Fabricio Dutra, secretário municipal de Defesa Social.

RONDA OSTENSIVA

Foto de conteúdo patrocinado, favor não usar.
Com a ampliação da Guarda Municipal na Serra, também foi possível criar um grupo especializado no enfrentamento à violência - a Ronda Ostensiva Municipal (Romu). Crédito: PMS/Divulgação

Com a ampliação da equipe, também foi possível criar um grupo especializado no enfrentamento à violência - a Ronda Ostensiva Municipal (Romu). Os agentes estão passando por um curso de formação e o novo grupamento deve estar nas ruas ainda em 2021.

O secretário disse que foram adquiridos equipamentos e armas específicas para a Romu, assim como motocicletas para a realização das rondas. A previsão, afirma Dutra, é que a equipe esteja ostensivamente em bairros com maior índice de crimes contra pessoas e patrimônios.

VIDEOMONITORAMENTO

Foto de conteúdo patrocinado. Favor não usar.
Atualmente, a Serra conta com 120 câmeras em pontos nas entradas e saídas de bairros do município. Crédito: PMS/Divulgação

Uma estrutura importante na área de segurança é a de videomonitoramento. Fabrício Dutra explica que a administração municipal está recuperando equipamentos e também instalando novos para contribuir para a atuação dos agentes na Serra.

No início do ano, eram 26 câmeras funcionando e, hoje, são 120 instaladas em pontos nas entradas e saídas de bairros.

“Isso ajuda o trabalho da Guarda e dos agentes de trânsito porque, além do combate à criminalidade, conseguimos detectar pontos viciados em lixo, pichações, destruição de patrimônio público e privado”, pontua o secretário.

Outra iniciativa que está no planejamento, e que deve entrar em vigência no primeiro semestre de 2022, é o cerco eletrônico de segurança. O processo de licitação já está em andamento e a previsão é ter 20 pontos de monitoramento pela cidade, metade com reconhecimento facial. Com a medida, a expectativa é reduzir significativamente o número de furtos e roubos de carros.

RESULTADOS

Com os investimentos até o momento, os resultados começam a aparecer. A Serra, que já foi um dos municípios mais violentos do Brasil, hoje figura bem longe do topo dessa lista. E o número de homicídios em 2021 caminha para ser o menor da série histórica, que teve início em 1996, segundo afirma Fabrício Dutra.

A boa avaliação é corroborada por Pablo Lira, diretor de Integração do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) - órgão que, entre outras atribuições, faz análises sociais.

Foto de conteúdo patrocinado, favor não usar.
A Serra, que já foi um dos municípios mais violentos do Brasil, hoje figura bem longe do topo dessa lista. Crédito: PMS/Divulgação

“A Serra tem seu próprio mapa do crime, que permite o gestor olhar e saber o detalhe da criminalidade no bairro, na rua, na quadra, e, assim, pensar em intervenções para reduzi-la”, aponta.

Para ele, o empenho da prefeitura na elaboração de políticas públicas de segurança é fundamental para o bem-estar social.

“Isso é o resultado de políticas robustas do município, cumprindo seu papel e investindo em tecnologia, na Guarda Municipal. A Serra tem um diferencial que integra pesquisadores, profissionais da segurança e de outras secretarias para pensar políticas públicas para prevenir a criminalidade no município. A ciência também está integrada a esse trabalho na Serra”, conclui Pablo Lira.

LEIA ABAIXO A REVISTA ESPECIAL - SERRA 465 ANOS:

FAÇA ABAIXO O DOWNLOAD DA REVISTA ESPECIAL - SERRA 465 ANOS:

Revista Serra - 465 anos

Município apresenta trajetória de realizações e, de olho no futuro, investe em inovação

Este é um conteúdo de responsabilidade do anunciante.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.