ASSINE

No ES, 42% dos mortos em acidentes usaram álcool ou drogas

Resultado de estudo da Polícia Civil foi apresentado na Semana Nacional de Trânsito 2021, que visa incentivar e promover junto à sociedade um trânsito mais seguro

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 23/09/2021 às 21h38
acidentes
Levantamento de acidentes de trânsito correlaciona bebida, álcool e direção. Crédito: Pixabay

Um levantamento da Polícia Civil do Espírito Santo, divulgado na tarde desta quinta-feira (23), apontou que dos 231 casos de pessoas que morreram em acidentes de trânsito, analisados no primeiro semestre deste ano por meio do Laboratório de Toxicologia Forense, 42% estavam sob efeito de álcool ou drogas como cocaína, anfetamina e/ou maconha — o que corresponde a 97 pessoas. O resultado do estudo foi apresentado na Semana Nacional de Trânsito 2021, que tem o objetivo de incentivar e promover junto à sociedade um trânsito mais seguro.

Os dados confirmam o que é óbvio: a combinação de álcool ou drogas e direção não funciona, levando muitas vezes a acidentes fatais. Já em 2020, dos 635 casos analisados pelo laboratório, quase 48% estavam sob efeito de pelo menos uma das substâncias citadas — o que corresponde a 304 pessoas. A polícia destacou, no entanto, que essas mortes não incluem somente motoristas, mas também caronas ou pessoas atropeladas. Ou seja, não é possível dizer que todas provocaram os acidentes.

A maior parte das vítimas estava alcoolizada. Em todo o ano passado, apenas 49 estavam sob efeito de drogas. Já neste ano, nos primeiros seis meses, foram constatadas seis pessoas sob efeito de entorpecentes.

A combinação entre álcool e drogas, segundo a Polícia Civil, foi responsável por 56 casos das mortes no trânsito em 2020 e 27 somente no primeiro semestre de 2021.

Segundo o delegado titular da Divisão Especializada de Delitos de Trânsito (DDT), Maurício Gonçalves, a legislação de trânsito surgiu em 1997 e trouxe mais rigidez ao tratamento dos crimes nessa esfera. "Naquele ano foi inaugurado o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Antes disso, os acidentes eram tratados pelo Código Penal. Se for avaliado desde então, houve um avanço, já que a pena de homicídio culposo do Código Penal tem uma pena menor do que a do CTB. Fazendo uma análise de todas as alterações, houve um endurecimento da lei, mesmo havendo ainda um caminho longo a ser traçado", afirmou.

Polícia Civil
O delegado titular da Divisão Especializada de Delitos de Trânsito (DDT), Maurício Gonçalves. Crédito: Isabella Arruda

Apesar de as penas serem maiores, o delegado afirmou que a grande questão é a educação das pessoas. "As pessoas têm plena consciência de que o uso de substância ilícita vai alterar o comportamento e ainda assim querem usar, em detrimento à segurança no trânsito e à vida. Podemos aumentar a pena, mas se as pessoas não tiverem consciência de que a integridade é mais importante que a satisfação momentânea, não adianta a pena", esclareceu.

DIFERENTES EFEITOS

De acordo com a perita toxicológica Mariana Peres, álcool, maconha, cocaína e anfetamina resultam em efeitos diferentes no organismo.

Mariana Peres

Perita criminal

"O álcool é apontado como apto a diminuir os reflexos. Já a cocaína e a anfetamina são estimulantes, muito usadas por motoristas profissionais, como os caminhoneiros. Elas fazem com que os indivíduos percam a noção da velocidade, aumentando-a, além de fazer com que percam o controle da direção. Já a maconha causa um efeito contrário, sendo um perturbador, alterando a percepção do indivíduo, diminuindo o tempo de reação, afetando a coordenação motora e a capacidade espacial"

Para a especialista, a quantidade de álcool ou drogas ingeridas pelos condutores que morrem em acidentes é indiferente, já que, mesmo em pequenas porções, as substâncias podem causar efeitos que levam à perda do controle da direção.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Polícia Civil acidente trânsito Bebida Alcoólica

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.