ASSINE

Morro do Sal: chuvas deixam comunidade rural de Vargem Alta devastada

A reportagem de A Gazeta está percorrendo municípios do Sul do Estado. Em Morro do Sal, comunidade de Vargem Alta, mais de 20 casas desabaram na enxurrada de sexta-feira (17); Veja o vídeo

Publicado em 22/01/2020 às 18h30
Atualizado em 22/01/2020 às 18h33
Comunidade Morro do Sal, zona rural de Vargem Alta, foi atingida pela chuva. Crédito: Fernando Madeira
Comunidade Morro do Sal, zona rural de Vargem Alta, foi atingida pela chuva. Crédito: Fernando Madeira

A chuva de sexta-feira (17) deixou muitos estragos e um rastro de destruição em cidades do Sul do Estado. A Comunidade do Morro do Sal,  zona rural de Vargem Alta, foi uma das mais atingidas — conforme apurou a reportagem de A Gazeta, que está percorrendo os municípios da região desde a última segunda-feira (20).

Morro do Sal fica na Zona Rural de Vargem Alta. Para chegar até lá, dá para ir de carro até certo ponto e depois é preciso seguir a pé. A estrada que margeava o rio, por onde passavam os carros, praticamente desapareceu, não existe mais. O rio também levou várias pequenas pontes — os poucos acessos que os moradores tinham para transitar de um lado do rio para o outro.

Comunidade Morro do Sal, zona rural de Vargem Alta, foi atingida pela chuva. Crédito: Fernando Madeira
Comunidade Morro do Sal, zona rural de Vargem Alta, foi atingida pela chuva. Crédito: Fernando Madeira

A única ponte que existe agora no local foi construída pelos próprios moradores no final de semana. Os carros, que estão dentro das garagens, não conseguem sair porque não têm por onde passar. A reportagem conversou com alguns moradores, muitos perderam o pouco que tinham. O senhor Ataíde Correia, de 69 anos, é um deles.

Ataide Correia, 69 anos

Morador do Morro do Sal, comunidade da Zona Rural de Vargem Alta

"Na sexta-feira (17) eu estava em casa. Quando vi que foi enchendo, pulei fora. Alagou e foi caindo tudo. Minha casa desabou e não sobrou nada. Acabou tudo, foi tudo embora: fogão, butija de gás, televisão, todos os meus documentos. Para conseguir o que eu perdi, desanima. Foram 17 anos para construir tudo, uma vida. Não me faltava nada, e aí aconteceu isso"

A água do rio subiu mais de cinco metros no Morro do Sal e mais de 20 casas desabaram. A localidade fica a cerca de 15 quilômetros do Centro de Vargem Alta. Elza Alves da Silva nasceu e foi criada na comunidade. Ela narrou os momentos de desespero em que os vizinhos passaram, e afirmou que deu abrigo para muitos deles.

Elza Alves da Silva

Moradora do Morro do Sal, comunidade da Zona Rural de Vargem Alta

"Eu iluminava com a lanterna do celular e via as coisas descendo rio abaixo. Depois as pessoas começaram a gritar pedindo socorro. Passamos a noite acordados acudindo quem estava no morro. Eu nunca tinha visto uma situação como essa. Medo? Não tenho. Se a água chegar aqui, eu corro pro morro. Confio muito em Deus. Se eles não nos socorrer, quem vai?"
Elza Alves da Silva, 65, socorreu aproximadamente 15 pessoas na comunidade do Morro do Sal. Crédito: Fernando Madeira
Elza Alves da Silva, 65, socorreu aproximadamente 15 pessoas na comunidade do Morro do Sal. Crédito: Fernando Madeira

PIORES MOMENTOS

Raíssa de Souza tem apenas 16 anos e já presenciou os piores momentos de uma enxurrada. Durante a enchente, ela conta que estava com os pais e o irmão dentro de casa, quando a água começou a subir. "Presenciamos o desabamento das casas, estava escuro e fazia muito barulho. A gente ouvia as pessoas pedindo socorro. Estamos com medo, mas não tem o que fazer, não temos aonde ir, como ir para outro lugar", lamentou.

Raíssa de Souza, moradora do Morro do Sal, em Vargem Alta. Crédito: Reprodução
Raíssa de Souza, moradora do Morro do Sal, em Vargem Alta. Crédito: Reprodução

Carlos Henrique Lage é morador do Morro do Sal desde 1980 e estava fora quando tudo aconteceu. Ele narra que, quando chegou, no sábado (18), a casa em que vivia tinha ido embora. "Não tinha ninguém dentro, mas eu tinha tudo e perdi tudo. É a segunda vez que perco tudo em enchente, a primeira foi no Natal de 2000. Estou abrigado na casa da minha cunhada hoje", disse.

Carlos Henrique Lage, morador do Morro do Sal, em Vargem Alta. Crédito: Reprodução
Carlos Henrique Lage, morador do Morro do Sal, em Vargem Alta. Crédito: Reprodução

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.