ASSINE

Volta das coligações: veja como votaram os deputados do ES

Apenas três parlamentares que representam o Espírito Santo foram contra a medida; confira a posição da bancada capixaba

Publicado em 12/08/2021 às 07h55
Atualizado em 12/08/2021 às 12h38
Sem distritão, Câmara aprova texto-base da PEC da reforma eleitoral e a volta das coligações
Sem distritão, Câmara aprova texto-base da PEC da reforma eleitoral e a volta das coligações. Crédito: Pablo Valadares

Câmara dos Deputados derrubou a proposta da adoção do chamado "distritão" e aprovou, na noite desta quarta-feira (11), o retorno das coligações. Os dois dispositivos estavam contidos na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 125/11, aprovada em primeiro turno, que promove uma minirreforma nas regras eleitorais.

Por modificar a Constituição, a proposta precisa ser aprovada em dois turnos na Câmara e no Senado para entrar em vigor. Para valer nas eleições de 2022, as mudanças precisam ser promulgadas até o início de outubro.

No primeiro turno, os placares registrados nesta quarta foram:

  • Texto-base da PEC (aprovado): 339 votos favoráveis, 123 contrários
  • 'Distritão' (rejeitado): 35 votos favoráveis, 423 contrários
  • Volta das coligações (aprovada): 333 votos favoráveis, 149 contrários
Deputados federais capixabas
Bancada federal capixaba. Crédito: Montagem/ AG

O "distritão" é um apelido para o sistema de eleição majoritário, segundo o qual apenas os mais votados são eleitos. Esse sistema é usado na escolha de cargos do Executivo (presidente da República, governador e prefeito) e também para senador.

A formação de coligações permite a união de partidos em um único bloco para a disputa das eleições proporcionais. A opção foi classificado por deputados como uma "redução de danos" no acordo, firmado entre todos os partidos, que levou à rejeição do "distritão". A proposta contribui para diminuir o número de partidos e fortalecer o sistema representativo.

Os parlamentares acabaram votando o destaque 14 à PEC 125 de 2021, que determina a volta das coligações em eleições proporcionais (deputados e vereadores). Elas haviam sido extintas em 2017, mudança que já foi adotada em 2020. Quem votou 'sim' ficou a favor, enquanto quem votou 'não' foi contra. O destaque foi aprovado pelo plenário da Câmara.

DISTRITÃO NÃO PASSA; ENTENDA

A implementação do "distritão" implicaria eleger somente os candidatos mais votados – sem proporcionalidade dos votos recebidos pelas legendas – em um modelo que enfraquece os partidos e favorece candidaturas personalistas. O modelo previa a eleição dos candidatos que obtiverem mais votos no pleito, sem levar em conta os votos dados aos partidos, como ocorre no atual sistema proporcional.

Durante a votação, o destaque 3 à PEC 125 de 2021, que estabelece a adoção do sistema eleitoral conhecido como 'distritão' para a escolha de deputados federais, deputados estaduais e vereadores, foi rejeitado, com 35 votos favoráveis, 423 contrários e 4 abstenções.

Pelo acordo, haveria a retirada do distritão e a manutenção da volta das coligações partidárias, item que também foi retirado do texto e votado como destaque.

Esse item foi aprovado por 333 a favor, 149 contra e 4 abstenções. Para as alterações valerem para as eleições de 2022, a PEC precisa ser aprovada até o início de outubro, ou seja, um ano antes do pleito.

Além do distritão e das coligações partidárias, outros itens da proposta foram votados como destaques, como o artigo que determina que os votos de candidatas mulheres e negras sejam computados em dobro para fins de cálculo da distribuição do Fundo Partidário e do Fundo Eleitoral que ocorrerem entre 2022 e 2030. O destaque foi aprovado pelos parlamentares.

A PEC também prevê, entre outras alterações, o adiamento das eleições em datas próximas a feriados, e a que altera a data de posse do presidente da República que, a partir de 2027, que passaria a ser realizada em 5 de janeiro, e dos governadores e prefeitos, que seriam empossados em 6 de janeiro.

Para que as novas normas estejam em vigor nas eleições de 2022, as mudanças têm de ser incorporadas à Constituição até o início de outubro.

Com informações da Agência Brasil

Correção

12 de Agosto de 2021 às 12:31

Inicialmente, o texto informava que o deputado federal Ted Conti (PSB) havia votado contra a volta das coligações nas eleições proporcionais. A informação correta, no entanto, é que o parlamentar votou "sim", se posicionando a favor do retorno das coligações. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.