ASSINE

Eugênio Ricas é o novo chefe da Polícia Federal no ES

Delegado da PF exercia o cargo de adido da corporação nos EUA e é ex-secretário estadual da Justiça e ex-secretário estadual de Controle e Transparência

Eugênio Ricas, delegado capixaba da Polícia Federal
Eugênio Ricas é delegado da Polícia Federal. Crédito: Valter Campanato | Agência Brasil

O delegado Eugênio Ricas é o novo superintendente regional da Polícia Federal no Espírito Santo. A portaria com a designação dele para o cargo foi publicada no Diário Oficial da União desta sexta-feira (16). Ricas exercia o cargo de adido da PF nos Estados Unidos e já foi secretário estadual da Justiça e secretário estadual de Controle e Transparência.

A publicação é assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Márcio Nunes de Oliveira. O cargo estava vago desde a dispensa do delegado da PF Jairo Souza da Silva, publicada no Diário do dia 7 de junho, com referência a 17 de maio. 

Ricas poderia ficar em Washington, no cargo de adido da PF – policial federal que atua em missão diplomática –, somente até setembro, já que o prazo para a função é de três anos, não prorrogáveis. A saída do delegado do posto nos Estados Unidos se concretizou nesta quinta-feira (15), mas foi publicada Diário Oficial da União em 22 de junho. 

Para o lugar do novo superintendente regional da Polícia Federal no Espírito Santo, Rolando Alexandre de Souza, ex-diretor-geral da PF, foi nomeado como adido da instituição nos EUA.

PERFIL 

Eugênio Coutinho Ricas é casado e tem dois filhos. Nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais, ele se considera capixaba de coração. Há 18 anos na Polícia Federal, Ricas iniciou a carreira na Bahia.

Depois, se instalou no Espírito Santo onde, entre outras atuações, esteve à frente da "Operação Esfinge" que, em 2006, levou à prisão 17 pessoas acusadas de sonegação fiscal, entre os quais o advogado Beline José Salles Ramos. O delegado ainda atuou no Maranhão e em Minas Gerais para, em seguida, retornar ao Espírito Santo, mas cedido ao governo do Estado.

Ricas comandou duas secretarias: a de Justiça (Sejus), no primeiro mandato de Renato Casagrande (PSB), e de Controle e Transparência (Secont), já no terceiro governo de Paulo Hartung (sem partido).

Ao sair do governo, o delegado assumiu o cargo de diretor de investigação e combate ao crime organizado da Polícia Federal, considerada a segunda mais importante posição da instituição no país. De Brasília, onde exerceu a função, foi chamado para ocupar o cargo de adido da PF nos Estados Unidos.

Eugênio Ricas é delegado de Polícia Federal, adido da PF nos EUA, ex Secretário da Justiça e ex Secretário de Controle e Transparência do ES e colunista de A Gazeta
Eugênio Ricas é ex Secretário da Justiça e ex Secretário de Controle e Transparência do ES . Crédito: Arquivo Pessoal

Recentemente, Ricas conversou com a reportagem de A Gazeta e relatou relatou as suas experiências em território americano. Ele destacou que estreitou os laços com instituições de segurança de vários países, já que Washington é a capital que mais reúne esses grupos.

"Ser adido é uma experiência fantástica em todos os sentidos. Do lado pessoal porque, apesar de estar longe de parentes e amigos, une muito a nossa família aqui, minha esposa está trabalhando, meu filho fala inglês fluente. E profissional porque é um network excelente. Eu tenho contato com policiais de todos os lugares do mundo. Os melhores policiais das melhores agências são enviados para Washington", contou.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Polícia Federal eugênio ricas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.