ASSINE

"Poderia estar morta", diz mulher após escapar de tiros de companheiro no ES

Segundo a mulher, o homem disparou quatro tiros depois de uma discussão. Ele foi preso e a mulher solicitou medida protetiva. O caso aconteceu em Cachoeiro

Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 13/04/2021 às 13h15
Segundo a mulher, ele disparou quatro tiros depois de uma discussão. O homem foi preso e a mulher solicitou medida protetiva
Mulher contou como a violência doméstica aconteceu em Cachoeiro. Crédito: Reprodução TV Gazeta/Sul

Uma mulher de 49 anos passou por momento de tensão na tarde desta segunda-feira (12), em Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo. O companheiro dela disparou quatro tiros em sua direção depois de uma discussão entre os dois na porta de casa. Nenhum dos tiros acertou a mulher, que chamou a polícia.

A vítima, que pediu para não ter a identidade revelada, contou que tudo começou por um motivo banal. "Simplesmente foi uma briga banal. Eu e ele discutimos porque ele foi muito ignorante com uma vizinha. Ele xingou, falou palavrões e eu não gostei. Falei para ele ser mais educado", contou. 

OS TIROS

A mulher disse que durante a discussão falou que não tem medo dele e, quando ele entrou e fechou a porta, ela empurrou. “Eu encarei no olho dele e falei que não tenho medo dele. Ele fechou a porta e eu empurrei, aí ele falou que eu machuquei e disse: 'você vai ver o que vou fazer com você'. Eu dei as costas pra ele. Quando eu dei as costas, eu paralisei, só escutei os tiros. Eu fiquei em choque. Paralisei", lembra. 

Ainda de acordo com a vítima, quem viu tudo foi uma prima que contou que ele estava bem perto e atirou em direção ao chão, próximo aos pés dela. Logo após, a mulher também sentiu uns estilhaços no pescoço e percebeu que ele também atirou para o alto.

“Ele estava muito perto, não sei como não pegou. Eu saí chorando e falei que ele me machucou e que iria chamar a polícia. Só que acho que ele não acreditava. Às vezes que ele me agrediu verbalmente eu fui relevando, mas ontem foi a gota d'água. E eu aconselho mesmo, denuncie. Não tenha medo”, disse a vítima.

A mulher ressaltou que foi a primeira vez que ele teve uma atitude como esta. "Ele nunca me encostou o dedo, mas o que ele fez ontem já é um primeiro passo. Se eu perdoasse, o que ele poderia ter feito comigo? Poderia estar morta. Então, fui procurar meu direito. Acho que ele acha que ele era meu dono", afirmou. 

O homem tentou fugir, mas foi preso pela Polícia Militar. O revólver foi encontrado na casa do casal, no bairro Alto Amarelo. A vítima pediu medida protetiva.

Com informações de Thales Rodrigues/TV Gazeta Sul

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.