ASSINE

Mulher morta ao passear com cão em Vila Velha mudou de cidade para fugir do ex

Segundo familiares, ela deixou Aracruz  e se mudou para Vila Velha após o fim da relação. O ex-marido de Irlane Dias possui mandando de prisão em aberto e está sendo procurado pela Polícia Civil

Valmir dos Reis Lopes suspeito de assassinar a esposa em Vila Velha
Valmir dos Reis Lopes é o suspeito de assassinar a esposa em Vila Velha. Crédito: Rede social

A morte da diarista Irlane Vilma Dias Case, 35 anos,  alvo de tiros enquanto passeava com o cachorro na Praia de Itaparica, Vila Velha, foi planejada e o principal suspeito é o ex-marido dela. O crime aconteceu no início da manhã de 2 de abril, e o suspeito está foragido. 

Segundo familiares da vítima, Irlane havia saído da casa onde vivia com Valmir dos Reis Lopes, o ex-marido, pouco mais de um mês antes do crime. "Ela mudou-se de Aracruz para Vila Velha com a filha para começar uma nova vida e também para escapar das ameaças dele", contou um parente que não quis ser identificado. 

De acordo com informações da  Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), onde o caso está sendo investigado, o casal havia se separado após brigas e desentendimento, em janeiro. 

Irlane Dias, 35 anos, morta quando passeava com o cachorro em Vila Velha
Irlane Dias, 35 anos, morta quando passeava com o cachorro em Vila Velha. Crédito: Rede social

"A vítima vivia um relacionamento abusivo e, para se livrar do antigo companheiro e começar uma nova vida, mudou-se de Aracruz para Vila Velha, com a filha adolescente ", detalhou Raffaella Aguiar, delegada titular da DHPM.

O caso está em fase de encerramento das apurações e, para a delegada, não resta dúvida de que foi planejado.  "As investigações apontam que ele procurou identificar onde ela estava morando e, assim que descobriu, passou a ter ciência da rotina dela. No dia do crime, a vítima deixou a portaria do prédio que morava e caminhava com o cão. A poucos metros do prédio,  foi morta a tiros. Foi algo planejado", completou.

O casal estava junto havia pouco mais de seis anos e se conheceu em Rondônia. Quando Vilmar procurava novos rumos na carreira, ele, Irlane e a filha dela vieram para o Espírito Santo. A delegada disse que Irlane já teria sido agredida pelo ex-marido, porém, nunca procurou a polícia. 

Delegada Raffaella Aguiar
Raffaella Almeida Aguiar, delegada titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher - DHPM. Crédito: Carlos Alberto Silva

Raffaella Aguiar

Delegada da Delegaca de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM)

"O suspeito não aceitava 'perder' a mulher, que na visão dele era um objeto ou uma propriedade. Ao se ver sendo colocado de lado, incorporou todo o machismo e disse que ela não seria de mais ninguém se não fosse dele"

Logo após o crime, o suspeito fugiu correndo do local, desde então, está foragido. "Já representamos pela prisão temporária dele e a Justiça expediu o mandando de prisão. Já fizemos uma operação para tentar prendê-lo, porém, ele não se encontra mais na Grande Vitória. Por isso, contamos com a população que possa apresentar por meio de denúncias anônimas informações que indique o paradeiro dele", enfatizou Raffaella Aguiar.  

Quem puder ajudar pode encaminhar informações para o Disque-Denúncia, através do número 181,  ou pelo endereço eletrônico disquedenuncia181.es.gov.br.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.