ASSINE

Ex-presidiário, filha de 7 anos e irmão são baleados em Cariacica

A criança foi ferida no olho. As três vítimas foram levadas ao Pronto Atendimento de Alto Lage, no mesmo município

Tempo de leitura: 3min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 17/01/2022 às 21h50
Atualizado em 18/01/2022 às 11h39
Crime
Ex-presidiário, filha de 7 anos e irmão são baleados em Cariacica. Crédito: Any Cometti

Três pessoas foram baleadas na noite desta segunda-feira (17), na região de Itanguá, em Cariacica, sendo uma delas uma criança de 7 anos. O alvo dos disparos era um ex-presidiário, que acabou sendo atingido no braço.

Segundo informações apuradas pela repórter Any Cometti, para a TV Gazeta, o irmão do alvo estava por perto e foi atingido na cabeça. De acordo com informações da polícia, que esteve no local, este não tinha envolvimento com o crime.

A criança baleada é filha do ex-presidiário. Ela foi ferida no olho. A primeira informação apurada no local era de que, segundo a polícia, a menina teria sido usada como escudo, informação que, de acordo com a advogada que representa o ex-presidiário, não procede (veja o posicionamento abaixo).

As três vítimas foram levadas ao Pronto Atendimento de Alto Lage, no mesmo município. 

Este vídeo pode te interessar

ADVOGADA NEGA VERSÃO

Em contato com a reportagem na manhã desta terça-feira (18), a advogada Jamily Bonatto se apresentou como representante do ex-presidiário citado na matéria e negou que o homem tenha usado a filha de 7 anos como escudo. Ela ressaltou ainda que a criança estava no colo do pai no momento do crime. Confira a fala dela na íntegra:

"Ele foi condenado juntamente com 2 pessoas por tráfico de drogas e cumpriu sua pena. No final de outubro foi para o regime aberto disposto a mudar de vida, tanto que estava se apresentando normalmente e pouco saía de casa, apenas para passear com sua filha, por quem é apaixonado.

Ontem estavam todos (mãe, irmão, irmã, vizinho, a filha e 2 sobrinhos) em frente a sua casa (ele mora com a mãe - o pai faleceu no início de novembro) e numa determinada hora resolveram entrar.

Quando a irmã dele estava saindo, chegaram 2 pessoas numa moto já atirando (primeiro deram um tiro pra cima), todos correram e essas pessoas entraram na casa da mãe dele de capacete, o irmão e a irmã dele entraram em luta corporal com os atiradores, num momento de desespero.

Ele não usou sua filha como escudo, ele jamais faria isso porque é muito apaixonado por ela. O que houve é que ela estava no colo dele e foi atingida no olho, foi operada e está na UTI."

INVESTIGAÇÃO

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso seguirá sob investigação da Divisão Especializada de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cariacica. Até o momento, segundo a corporação, nenhum suspeito foi detido e detalhes da investigação não serão divulgados, por enquanto.

"A Polícia Civil destaca que a população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181, que também possui um site onde é possível anexar imagens e vídeos de ações criminosas, o disquedenuncia181.es.gov.br. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas", evidenciou a corporação no texto. 

O QUE DIZ A PM

A Polícia Militar informou, por meio de nota, que na noite desta segunda-feira (17) policiais militares foram acionados para irem ao PA de Alto Lage, em Cariacica, pois havia dado entrada um indivíduo baleado.

"No Pronto Atendimento, a equipe constatou que três pessoas tinham sido alvejadas, sendo dois do sexo masculino e uma menina, de sete anos. A criança é filha de um dos indivíduos baleados. Segundo informações, o fato aconteceu no bairro Itanguá, em Cariacica, onde um suspeito entrou na casa e disparou contra as vítimas. Após o fato ele fugiu do local", finaliza a nota.

Atualização

18 de Janeiro de 2022 às 10:34

Após a publicação da matéria, uma advogada, em contato com a reportagem, disse que o pai não usou a filha como escudo. O texto foi atualizado com as novas informações. 

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.