ASSINE

Andorinhas é palco de novo tiroteio e PM é acionada em Vitória

Após prenderem Rhaony Hansen Cordeiro Soares na última semana, a expectativa das autoridades era de que a violência diminuísse na região. O que se viu, entretanto, foram mais disparos na manhã desta segunda-feira (3)

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 03/05/2021 às 15h11
Entrada do bairro Andorinhas, em Vitória
O bairro Andorinhas, em Vitória, tem sido palco frequente de tiroteios ocorridos pela disputa do comando do tráfico de drogas na região. Crédito: Reprodução | TV Gazeta

Nem mesmo a prisão de um dos homens apontados como o chefe do tráfico trouxe paz aos moradores da região de Andorinhas, em Vitória. Na manhã desta segunda-feira (2), cinco dias após a polícia prender Rhaony Hansen Cordeiro Soares, mais um tiroteio foi registrado no bairro. De acordo com a assessoria da Polícia Militar, indivíduos armados abriram fogo dentro de um parque municipal. Durante a tarde, a PM informou ainda que está realizando uma operação na região do Bairro da Penha, Andorinhas e Itararé, todos na Capital, com uso de cães e helicópteros.

Os tiros, de isolados a rajadas, puderam ser escutados de bairros vizinhos, como Jardim da Penha e Praia do Canto, como relatos enviados à reportagem de A Gazeta. A PM informou que o Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes) recebeu a informação de que indivíduos teriam efetuado disparos de arma de fogo no bairro Andorinhas. Viaturas foram enviadas ao local e os policiais verificaram que os disparos ocorreram dentro de um parque municipal, porém sem feridos. Nenhuma via foi interditada no bairro e o policiamento segue reforçado na região, segundo a nota da corporação.

Um dia após tirarem de circulação o homem tido com líder do tráfico de Andorinhas e de alta periculosidade, representantes da segurança pública do Estado disseram que a expectativa era de que a prisão de Rhaony traria um pouco de paz à população. 

Durante a tarde desta segunda-feira, a Polícia Militar informou que está realizando uma operação de saturação na região do Bairro da Penha, Andorinhas e Itararé, todos na Capital, para "inibir e reprimir ações ilícitas nesses bairros". Além dos militares do 1º Batalhão, a operação conta com apoio da Força Tática, da Companhia Independente de Missões Especiais (Cimesp), Companhia Independente de Operações com Cães (Cioc) e dois helicópteros do Notaer.

Demandada pela reportagem de A Gazeta, a Polícia Civil informou, através de nota, que até o momento não houve acionamento no Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro informado. "Cabe destacar, que o serviço de inteligência monitora as atividades criminosas em todos os ambientes, e é um trabalho realizado de modo sigiloso".

Ainda na nota, a Polícia Civil  ressaltou que "realiza trabalho de investigação contra o tráfico de drogas, e crimes relacionados, em todo o Estado, incluindo na região citada, onde prisões já foram realizadas. A população tem um papel importante nas investigações e pode contribuir com informações de forma anônima através do Disque-Denúncia 181. O anonimato é garantido e todas as informações fornecidas são investigadas".

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.