ASSINE
Anna Bernardes da Silveira Rocha
Anna Bernardes da Silveira Rocha
1927
2021

Morre Anna Bernardes da Silveira Rocha aos 93 anos, em Vila Velha

Educadora de renome nacional, ela foi secretária Estadual de Educação e ocupava a cadeira número 10 da Academia Espírito-santense de Letras

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 03/06/2021 às 14h06

Educadora de renome nacional, Anna Bernardes da Silveira Rocha faleceu nesta quarta-feira (2), às 14h), em Vila Velha. A informação foi confirmada pela amiga Ailse Therezinha Cypreste Romanelli e pela Academia Espírito-Santense de Letras (AEL), da qual Anna era ocupante da Cadeira 10. 

"É com profundo pesar que a Academia Espírito-Santense de Letras comunica o falecimento da Dra. Anna Bernardes da Silveira Rocha, aos 93 anos. Ocupante da Cadeira 10 desta instituição, que tem como patrono o Padre José de Anchieta, Anna Bernardes foi a terceira mulher eleita para a AEL, para a vaga do professor Guilherme Santos Neves, e exerceu notável atividade nas letras e na educação", diz nota enviada pela instituição.

Segundo Ailse, que trabalhou com Anna na Secretaria de Estado da Educação (Sedu), onde chegaram a fazer parte do Conselho Estadual de Educação, a professora morreu de causas naturais. O velório aconteceu nesta quinta-feira (3), até 13h, e o corpo será cremado. 

"Ela foi muito importante na Educação do Espírito Santo. Ela foi secretária Geral da Educação Secundária no Ministério da Educação, foi secretária de Educação no Governo de Gerson Camata, presidente do Conselho de Estadual de Educação, quando o secretário era o José Eugênio Vieira", destaca Ailse.

"Nós éramos da primeira turma de pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), somente seis pessoas na turma. A gente seguiu junto porque todos nós trabalhamos com Educação. Anna era uma pessoa muito inteligente, estudiosa e competente naquilo que sabia fazer. Ela falava muito bem, era exigente no trabalho como secretária, tem muita coisa publicada e acho uma pessoa considerada muito importante para a Educação que a gente viveu no ES", finaliza.

"Ela estava meio adoentada. A Anna foi uma excelente educadora no Espírito Santo e no Brasil. Ela foi a terceira mulher a entrar na Academia (AEL). Foi uma mulher extraordinária no Estado, presidente do Conselho Estadual de Educação", disse Ester Abreu, presidente da AEL, enaltecendo o trabalho literário de Anna que possuía uma vertente educacional.

Além dos Conselhos de Educação Estadual e Federal, Anna também teve atuação no Conselho Estadual de Cultura, participando de tombamentos de sítios e prédios históricos como  a Casa da Cultura de Domingos Martins.

"Dona Anna Bernardes parte deixando uma história exemplar. Lembro-me muito bem de sua atuação como Presidente do Conselho Estadual de Cultura, quando Tombamento do Sítio Histórico de São Pedro do Itabapoana. Foi uma pessoa reservada, mas acolhia com educação. Esta é a minha impressão nos contatos que tive. Deu sua contribuição efetiva a São Pedro do Itabapoana. Aos familiares, meus sentimentos. À Senhora, o meu respeito e consideração pelo grande Ser Humano que é", conta o presidente da Academia Maria Antonieta Tatagiba, Pedro Antônio de Souza.

Em evento, Dayse Lemos, Paulo Hartung, Ana Bernardes e Haroldo Rocha
Anna Bernardes da Silveira Rocha com o ex-governador Paulo Hartung, Dayse Lemos e Haroldo Rocha, em 2008. Crédito: Mônica Zorzanelli

"Dona Ana, que pessoa espetacular! Trabalhei diretamente com ela na assessoria técnica do gabinete na então Secretaria de Estado da Educação e Cultura (Sedu) e no Conselho Estadual de Cultura, o qual presidia, eu como vice ou secretário. Sempre apoiou bastante os complicados tombamentos, a edição de livros para as escolas, as artes plásticas e outras iniciativas culturais.  Anna Bernardes foi uma grande educadora brasileira, com ampla e moderna visão das questões pedagógicas. Um dos seus méritos consistiu em sempre associar a educação com a cultura na sala de aula. Se ela já estava sempre no meu coração e nas minhas preces, continuará certamente", destacou o também acadêmico e comentarista da rádio CBN Vitória, Fernando Achiamé.

Quem também lamentou a morte da educadora foi o ex-governador Paulo Hartung e o ex-secretário de Educação Haroldo Rocha. "A professora Ana Bernardes, foi uma das grandes educadoras do nosso país. Ela deixa um belo legado de trabalho pela melhoria da educação. Meus sentimentos à família e aos amigos", escreveu Hartung, em sua conta no Twitter.

"A morte da Prof. Ana Bernardes deixa um vazio na educação do Espírito Santo. Prof. Ana me deu um apoio decisivo em 2007, meu primeiro ano de Sedu-ES. Eu, pouco sabia de educação, e ela, Pres. do Conselho Estadual de Educação, sabia tudo e foi sempre parceira. Que Deus a acolha!", escreveu Haroldo, na mesma rede social

Anna Bernardes nasceu em Vila Velha, em 27 de julho de 1927. Professora emérita da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), ela foi secretária de Educação e Cultura do Espírito Santo, além de ter exercido cargos e funções públicas em Brasília.

Professora em todos os graus de ensino, durante vários anos, Anna tem em seu portfólio obras como, "A escola de 1º grau" (Ed. Bloch); "Entrevista" (Ed. Globo, 1981); "Contrato tarefa" (Ed. Globo, 1981); "Interrogatório" (Ed. Globo). Além disso, ela escreveu artigos para A Gazeta, revistas científicas e do Ministério da Educação.

A educadora entrou na AEL após a morte de Guilherme Santos Neves, em 1989. Anna era casada com o escritor Levy Rocha - morto em 2004 -, que também pertenceu à Academia Espírito-santense de Letras e cujo nome batiza a Biblioteca Pública Estadual.

Cultura Educação Obituário

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.