ASSINE

Pico de infectados no ES saltou de 28 para 49 novos casos por dia

No início da pandemia, nos primeiros dias de março de 2020, o Espírito Santo tinha uma média de cinco infectados por dia. Um mês depois, o número de novos casos chegou a 28 no dia 5 de abril e 49 só na última sexta-feira (10)

Publicado em 13/04/2020 às 13h49
Atualizado em 13/04/2020 às 19h40
Combate ao coronavírus deve combinar ações do poder público e privado
Combate ao coronavírus deve combinar ações do poder público e privado. Crédito: Denisismagilov - stock.adobe.com

Se no início da pandemia do novo coronavírus no Espírito Santo, nos primeiros dias de março de 2020, o Estado tinha uma média diária de cinco novos infectados, hoje a realidade é bem diferente. O número de novos casos chegou a 28 no dia 5 de abril e só no último fim de semana essa estatística subiu para 49 infectados pela covid-19 em 24 horas, na última sexta-feira (10). 

Do primeiro registro de coronavírus no Espírito Santo, no dia 5 de março, até o dia 16 do mesmo mês, o pico era de 4 novos casos diários. Em cinco dias esse número passou para 10, registrados no dia 21 de março.  Com o passar do tempo, a média manteve-se em 10 novos casos por dia, até haver um acréscimo significativo de 24 novos registros apenas no dia 1° de abril. 

Já no último dia 5 de abril, o número de novos casos chegou a 28. Apenas na última quarta-feira (8) foram registrados mais 46  infectados. Mas foi no fim de semana o registro de pico de casos até agora: Na última sexta (10) foram 49 novos casos em apenas 24 horas. Já no último domingo (12), foram registrados mais 47 infectados. 

ES PODE CHEGAR A QUASE MIL CASOS ESSA SEMANA

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) estima que o número de casos confirmados do novo coronavírus chegue a quase mil até o fim desta semana no Espírito Santo. A informação foi passada pelo subsecretário de Vigilância em Saúde, Luiz Carlos Reblin, em entrevista ao programa Bom Dia Espírito Santo, da TV Gazeta, nesta segunda-feira (13). A projeção se dá diante da média de confirmações que estão sendo registradas por dia e do número de casos que estão sendo investigados.

"A gente tem 1.500 casos sendo investigados. Como para cada 100 exames, a gente tem 33 positivos, é bem provável que a gente tenha confirmação, até o final da semana, de pelo menos mais 400 casos, o que levaria para um número muito próximo de mil pessoas que teriam confirmado a doença entre nós", explicou. 

Ainda de acordo com Reblin, a segunda quinzena do mês de abril será o período com maior número de casos desde o início da pandemia no Estado. Por isso, o subsecretário destaca a necessidade do isolamento para que o sistema de saúde tenha capacidade de atender a demanda. Ele afirma que caso a medida de isolamento não fosse imposta no Estado, as projeções da secretaria apontavam que número de casos da doença poderia chegar a 6 mil nessa semana. 

Luiz Carlos Reblin

Subsecretário de Vigilância em Saúde

"O isolamento é a única alternativa para que possamos manter um número em condição de atendimento. Hoje temos 65 pessoas internadas, sendo 43 em UTI. Se desrespeitarmos as regras do isolamento social, com certeza chegaremos ao colapso da rede pública e privada. As pessoas têm que entender que o sistema não vai colapsar apenas na rede pública, mas também na privada"

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.