ASSINE

Jucutuquara vai exaltar histórias protagonizadas pelo povo africano

Escola vai abordar a arte, a história e a força dos "Griots", sábios responsáveis por contar as conquistas na África Ocidental

Publicado em 05/02/2020 às 05h00
Atualizado em 05/02/2020 às 05h00
Porta-bandeira da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva
Porta-bandeira da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva

Ressaltar os feitos dos negros contadores de história, resgatando a tradição da oralidade na África Ocidental, onde os anciãos relatavam para os mais jovens os feitos e as conquistas de um povo. Esse é o conceito de "Griot", enredo que a Unidos de Jucutuquara leva para o Sambão do Povo no desfile do Grupo Especial do carnaval capixaba, que acontece no sábado (15), com transmissão da TV Gazeta.   

Com um dos sambas mais elogiados de 2020, a Coruja pretende conquistar um título que não vê há 10 anos. O último triunfo foi em 2009, com o histórico “Convento da Penha: O Relicário de um Povo”, um de seus desfiles mais luxuosos e perfeitos tecnicamente.   

"Chegamos a Unidos de Jucutuquara com uma responsabilidade imensa, que é resgatar seus desfiles grandiosos, reafirmando a escola ao patamar de favorita ao título. Nada como um enredo que transforma a arte de contar lendas em forma de música, dança e literatura, fazendo do negro o protagonista de sua própria história", adianta Vanderson César, que assina o desfile ao lado de Jorge Mayko.   

Com um orçamento previsto em cerca de R$ 450 mil, a agremiação levará para a avenida 1.500 componentes, divididos em 19 alas. Serão 160 ritmistas na bateria e 4 carros alegóricos. Será a segunda a desfilar, logo depois da tradicional Unidos da Piedade.

No enredo da Jucutuquara - que busca o seu oitavo título - , os sábios africanos "griots" serão ressignificados para a realidade brasileira. Entre os lembrados do desfile devem estar os escritores  Machado de Assis, Carolina de Jesus, Cruz e Souza, Conceição Evaristo, Elisa Lucinda e Zé Bento (contador de histórias e ativista da cultura popular capixaba). 

Fora do mundo das letras, haverá espaço para os "griots-rappers" Emicida e Karol Conká, o artista Abdias do Nascimento (criador do Teatro Experimental do Negro e do Museu da Arte Negra) e os folcloristas Terto, Maria Laurinda, Isolina e Canutinha, mestre e mestras da Cultura Popular do Espírito Santo.

Vanderson César, carnavalesco da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva
Vanderson César, carnavalesco da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva

"Nossa apresentação terá quatro setores. A comissão de frente será um dos pontos altos da festa, em que vamos fazer uma ressignificação dos 'griots', afirmando sua lenda e importância para a cultura", adianta, revelando também que o carro abre-alas,  mostrando um grande ritual afro, deve causar impacto.

PASSADO DE GLÓRIAS

Genivaldo Alves, um dos fundadores da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva
Genivaldo Alves, um dos fundadores da escola de samba Unidos de Jucutuquara. Crédito: Carlos Alberto Silva

Os cinquenta e sete anos de vida de Genivaldo Alves se misturam à trajetória da Unidos de Jucutuquara. Um dos fundadores da Coruja, o funcionário público foi mestre de bateria por dez anos e, quando criança, o primeiro porta-estandarte.

"Me lembro da década de 1970, quando a Jucutuquara ainda era o bloco As Meninas do Rock. Tinha uma disputa supersaudável com o Alegria-Alegria, de Santo Antônio, e o Bloco do Caveira, de São Torquato. Começamos brincando o carnaval nas ruas do bairro. Em 1972, como Unidos de Jucutuquara, nos apresentamos no centro, já iniciando uma estrutura maior", relembra, com nostalgia.

No final da década de 1970, a transição para escola de samba veio a pedido da Prefeitura de Vitória. "A partir de então, não paramos mais de crescer, virando um gigante do carnaval. O primeiro título veio em 1990, com "Na Mistura da Torta, a Nossa Mistura", falando sobre a tradição da torta capixaba. 

Mestre Dião foi homenageado durante o desfile da Jucutuquara, em 2014. Crédito: Reprodução TV Gazeta
Mestre Dião foi homenageado durante o desfile da Jucutuquara, em 2014. Crédito: Reprodução TV Gazeta

Integrante da única tetracampeã do Carnaval Capixaba (de 2006 a 2009), Genivaldo cita o último título, em 2009, com o enredo "Convento da Penha: O Relicário de um Povo", como sendo a apresentação mais marcante. "O momento mais difícil, infelizmente, é inesquecível para a nossa comunidade. Em 2014, faltando dois dias para o carnaval, tivemos a morte do nosso presidente, Mestre Ditão. Era mestre de bateria na época e foi muito difícil desfilar.  Tivemos que passar por uma reestrutura emocional e entramos na avenida com uma garra que poucas vezes vi antes", complementa.

UNIDOS DE JUCUTUQUARA

  • CORES: Vermelho, Verde e Branco
  • BAIRRO: Jucutuquara (Vitória)
  • PRESIDENTE:  Rogério Sarmento
  • FUNDAÇÃO: 1972
  • TÍTULOS DO GRUPO ESPECIAL:  1990, 2002, 2004, 2006, 2007, 2008, 2009
  • ENREDO: "Griots"
  • COMPONENTES: 1.500
  • ALAS: 19
  • ALEGORIAS: 4 carros

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.