ASSINE

Governo e policiais não entram em acordo sobre reajuste salarial

Em reunião iniciada no final da tarde desta quinta-feira (13), a proposta do Estado de pagar até 35% de recomposição foi mais uma vez recusada

Publicado em 13/02/2020 às 19h11
Atualizado em 13/02/2020 às 20h07
Policiais civis, militares e bombeiros percorreram o Centro de Vitória em protesto. Crédito: Fernando Madeira
Policiais civis, militares e bombeiros percorreram o Centro de Vitória em protesto. Crédito: Fernando Madeira

Terminou sem acordo a reunião do governo do Estado com dirigentes de sindicatos e associações das Polícias Civil, Militar e dos Bombeiros. Eles se encontraram no final da tarde desta quinta-feira (13) para discutir a proposta de reajuste para as categorias que representam. Uma oferta foi feita há uma semana, com índice que pode variar de 30 a 35%, mas os servidores da área da Segurança reivindicam 55% de recomposição.

O índice apresentado ao governo foi definido pela chamada Frente Unificada, que reúne lideranças de todas as categorias, e é considerado pelo grupo como viável para ser pago pelo Executivo em três anos, a partir de 2020. A ideia é que o  Estado encaminhe um projeto para a Assembleia Legislativa, prevendo o pagamento de 12% por ano, de recomposição, mais a inflação de no mínimo 3,5%. 

Rodolfo Laterza

Presidente da Associação dos Delegados de Polícia (Adepol-ES) e vice do Sindicato dos Delegados a Polícia Civil (Sindepes).

"É uma proposta que cabe no orçamento e, por isso, houve rejeição aos 4% (em três parcelas) apresentados pelo governo "

REUNIÃO

A reunião começou com secretários de governo e representantes das associações militares. Após menos de uma hora, os dirigentes dos sindicatos da Polícia Civil foram chamados a entrar. Mas, ao contrário do que havia sido informado pelas entidades, o encontro do Executivo foi apenas com a PM, conforme havia sido agendado.

O secretário de Governo, Tyago Hoffmann, argumenta que a Frente Unificada é uma estratégia das categorias e que, embora legítima, não é com essa representação que o Executivo está negociando. Os encontros têm sido feitos com dirigentes de cada entidade, uma vez que a mesa de negociação é permanente e existem especificidades na área da Segurança.

Este vídeo pode te interessar

Tyago Hoffmann

Secretário de Governo

"Se entre eles desejam  fazer uma frente, não há qualquer problema. Mas no momento da negociação é separado, porque há questões específicas de cada instituição"

Os representantes da Polícia Civil entraram em uma antessala do local da reunião apenas para deixar a proposta que havia sido elaborada pela Frente Unificada, na qual solicita a recomposição salarial. Esse momento só foi possível porque os militares informaram que não dariam prosseguimento ao encontro, uma vez que o reajuste de 30 a 35% do governo havia sido recusado. 

Hoffman disse que a equipe técnica do Executivo vai analisar a contraproposta feita pelas entidades para poder se manifestar. Enquanto isso, ainda segundo o secretário, as negociações permanecem. Nesta sexta-feira (14), às 9 horas, está agendada reunião com representantes do Conselho de Polícia Civil.

PROPOSTA DO GOVERNO

Na última sexta-feira (7), o secretário de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, informou que a proposta do Estado é de conceder um reajuste para os servidores que atuam na área de segurança de 30% a 35%, parcelado até o final de 2022. A proposta contempla 4% na folha de julho deste ano. O mesmo percentual seria oferecido ainda nos meses de julho dos anos de 2021 e 2022. Além disso, no mesmo período seria paga a recomposição salarial da inflação, que em dezembro de 2019 resultou em um reajuste de 3,5%. Para os praças da PM - subtenentes, sargentos, cabos e soldados -, haveria ainda um acréscimo de 5%, com a incorporação de escalas de serviço. O projeto teria que ser encaminhado para a Assembleia Legislativa.

Já havia aceitado a proposta do governo o Sindicato dos Policiais Civis (Sindipol), cujo presidente Aloisio Fajardo garante ser o representante legal de toda a categoria, dos auxiliares de perícia ao delegado. A divergência entre lideranças sindicais sugere um racha

Também fazem parte dos servidores da área de segurança os inspetores penitenciários e os agentes socioeducativos. Os sindicatos que os representam já aceitaram a proposta de reajuste do governo.

Policiais Militares, Civis e Bombeiros protestam nesta quinta (13) em Vitória . Crédito: Fernando Madeira
Policiais Militares, Civis e Bombeiros protestam nesta quinta (13) em Vitória . Crédito: Fernando Madeira

O governo aponta que para oferecer o reajuste para os servidores da área de segurança, o Estado está atento a alguns princípios importantes. Um deles é o limite da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que estabelece os gastos que podem ser feitos com pessoal.

Outro ponto é a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO), que estabelece que o gasto com pessoal e custeio só possa crescer uma vez e meia a inflação.

Antes da reunião, que começou às 17h20, manifestantes dos policiais militares, civis e dos bombeiros fizeram um ato em protesto contra a proposta do governo. Eles se concentraram em frente ao edifício Fábio Ruschi, no Centro de Vitória, no qual estão instaladas inúmeras secretarias estaduais. Depois seguiram em passeata até o Palácio da Fonte Grande, outra unidade do Poder Executivo, e fizeram esse percurso de ir e vir por duas vezes. Por fim, reuniram-se diante do palácio para aguardar o final do encontro das lideranças sindicais com o governo.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.