ASSINE

Coronavírus: veja quais alimentos ajudam a fortalecer a imunidade

Especialistas reforçam que não existem alimentos próprios para o combate específico ao coronavírus, mas é possível dar suporte ao corpo para melhorar as defesas do organismo

Publicado em 18/03/2020 às 19h12
Alimentação saudável. Crédito: shutterstock
Alimentação saudável. Crédito: shutterstock

Diante da pandemia do coronavírus e dos cuidados com a higiene, muitos leitores ainda se questionam sobre que outras medidas podem ser tomadas para evitar o contágio ou mesmo para frear os efeitos da doença. Em conversa com especialistas, a reportagem de A Gazeta listou alimentos que podem ser verdadeiros aliados do sistema imunológico.

Apesar disso, de acordo com a nutricionista Brenda Reblin, mesmo observados os cuidados com a alimentação e com a escolha de hábitos mais saudáveis, deve-se esclarecer que não há alimentos próprios para o combate específico ao coronavírus. “O que temos em mãos em termos de subsídios são alimentos que melhoram a imunidade. Mas é sempre bom lembrar que não existe dieta própria para o coronavírus. A imunidade é adquirida por um processo, por um conjunto de hábitos”, explicou.

No mesmo sentido, a também nutricionista Roberta Larica, afirmou que é uma boa oportunidade de mudar hábitos de vida, suplementar algumas vitaminas, utilizar fitoterápicos, os quais podem auxiliar no fortalecimento do sistema imunológico. “Isso tudo para que a gente dê o suporte para o corpo combater melhor a doença, minimizando os sintomas. A construção de um sistema imunológico é feita ao longo do tempo, não de um dia para o outro. Com as semanas e meses de bons hábitos, o organismo vai se fortalecendo”, esclareceu.

ALIMENTOS QUE FORTALECEM O SISTEMA IMUNOLÓGICO

Segundo as nutricionistas Brenda Reblin e Roberta Larica, existem alimentos que devem ser incluídos na dieta de quem pretende fortalecer o sistema imunológico. Dentre eles estão:

  1. A Gazeta - unmo0ln3ig
    01

    Gengibre, própolis, cardamomo, alecrim, orégano e cúrcuma

    Com efeito anti-inflamatório natural, devem ser incluídos nas receitas do dia a dia, inclusive em sucos;

  2. 02

    Frutas ricas em vitamina C

    São frutas como laranja, limão, abacaxi, kiwi e acerola;

  3. 03

    Frutas vermelhas e roxas

    Ricas em flavonoides, ajudam no combate aos radicais livres, prevenindo o envelhecimento celular;

  4. A Gazeta - ftrja23
    04

    Alho e cebola

    Ação antiviral. De acordo com Larica, quanto mais cru, maior o efeito imunomodulador desses alimentos;

  5. 05

    Kefir

    Ação probiótica, proporcionada por microorganismos “do bem”, que, dentre outros efeitos, auxiliam na flora intestinal e combatem alergias;

  6. A Gazeta - qqe17aivxir
    06

    Alimentos com ômega 3

    Sementes, folhas escuras, azeite, peixes e leguminosas são ricos nessa gordura “do bem";

  7. 07

    Abacate, chia, linhaça, peixe e coco

    Contêm gorduras boas;

  8. 08

    Taioba, chicória, batatas, banana, aveia, farinha de banana verde

    Alimentos prebióticos, que nutrem a microbiota intestinal e as bactérias boas do intestino.

ESCOLHAS QUE PODEM PREJUDICAR A IMUNIDADE

Em contrapartida, alguns alimentos devem ser evitados, pois trazem prejuízos para as defesas naturais do corpo. São eles:

  1. 01

    Álcool

    Segundo Reblin, o consumo de álcool pode provocar grande queda de imunidade, principalmente se ingerido em excesso;

  2. 02

    Alimentos industrializados

    A nutricionista Brenda Reblin comentou dos cuidados que devem ser tomados nesses dias de confinamento. “Atenção especial com alimentos mais rápidos e congelados, por exemplo. São péssimos por serem cheios de conservantes, corantes, produtos químicos, gordura, açúcar e sal. Infelizmente, são os que mais estão saindo e deveriam ser evitados. Uma dica para quem quer armazenar comida é preparar, ao natural, em casa: fazendo uma lasanha do zero, pode até ser de abobrinha, que também permite o congelamento”.

SHOTS PODEROSOS

  • Receita da nutricionista Brenda Reblin: “Com grande poder antioxidante, auxiliando no combate aos radicais livres, eu gosto muito de fazer assim: usar meio limão espremido, dez gotinhas de própolis (nos casos de gestantes, idosos e crianças, usar a forma aquosa; para criança diminuir a quantidade de gotinhas), uma pitada (uma pontinha de colher de café) de cúrcuma; também é possível adicionar gengibre ralado e raspas de limão orgânico (para evitar agrotóxicos). No entanto, não existem milagres”. 
  • A nutricionista Roberta Larica preferiu não indicar receitas de shots, mas apenas evidenciar alimentos que ajudam na imunidade. “Só o shot não é suficiente. O Conselho Federal de Nutrição bate na tecla de que não existem fórmulas para todas as pessoas, menos ainda para combater epidemias. O que existe é uma rotina nutricional, rica em alimentos anti-inflamatórios, antivirais, que ajudam a fortalecer o sistema imunológico ao longo do tempo”, ressaltou.

CONJUNTO DE CUIDADOS

Além dos cuidados com a alimentação e com a higiene, as especialistas Brenda Reblin e Roberta Larica frisam que existe um conjunto de medidas que favorecem a imunidade. Dentre elas estão o sono em dia, favorecendo o descanso necessário, a prática de atividades físicas, mesmo que dentro de casa, o uso de suplementos nutricionais, caso seja necessário, de acordo com recomendação de um profissional da saúde.

Para Reblin, é fundamental também manter a calma. “São vários os hábitos saudáveis além da alimentação, o que inclui também o controle mental. Uma sugestão é a prática de cursos online, o investimento na cozinha como terapia, a leitura de bons livros”, ressaltou.

PILARES DO SISTEMA IMUNOLÓGICO

Roberta Larica explicou que existem basicamente quatro pilares básicos para a imunidade, sendo eles:

  1. 01

    A nutrição e a correção de deficiências nutricionais

    “O indivíduo que tem alimentação mais saudável, mais variada, com menor deficiência de vitaminas C, D e zinco, de nutrientes em geral, é um indivíduo mais forte, imunologicamente falando”;

  2. 02

    A saúde intestinal

    “É a porta de entrada para vírus e bactérias. Pessoas que não tenham o intestino saudável estão mais predispostas à contaminação viral. Deve-se manter uma alimentação limpa, orgânica, mais saudável, livre de processados, com menos carne vermelha, açúcar. E, por outro lado, deve-se aumentar a ingestão de prebióticos e probióticos, mantendo uma microbiota intestinal saudável, como se fosse uma barreira de proteção imunológica contra vírus”;

  3. 03

    O sono de qualidade

    “Um sono reparador, de sete a oito horas por noite, é muito importante. Dormir pouco afeta o hormônio do stress”;

  4. 04

    A administração do stress

    “O stress, a ansiedade, o excesso de preocupação, a forma de lidar com as situações, podem afetar os níveis hormonais, baixando o sistema imunológico. É muito importante o gerenciamento disso, buscando exercícios ao ar livre, a meditação, a yoga, atividades que distraiam, como cozinhar, conversar, ler, fazer coisas que ajudem a trabalhar o stress”.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Coronavírus Coronavírus no ES Alimentação Alimentação Saudável

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.