ASSINE

Coronavírus: veja perguntas e respostas sobre a nova doença

Uma orientação para controlar a doença tem sido queimar as roupas após contato com pessoas infectadas pelo vírus. Sociedade Brasileira de Infectologia descarta e explica que basta lavar as peças e as mãos

Publicado em 26/02/2020 às 12h07
Atualizado em 27/02/2020 às 17h15

Uma das dúvidas mais recentes sobre o coronavírus é sobre a necessidade de incinerar (queimar) as roupas de pacientes com suspeita da doença. A orientação teria partido da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Carapina, na Serra, por volta das 19h desta terça-feira (25),  onde um paciente buscou atendimento após chegar de uma viagem à Itália. Logo depois a Secretaria de Estado de Saúde (Sesa), por meio de nota, confirmou que o caso é o primeiro suspeito de coronavírus no Espírito Santo.

Pedestres usam máscaras de proteção nas ruas da cidade de Hong Kong, território chinês, onde o surto de coronavírus se iniciou. Crédito: VINCENT YU / AP / ESTADÃO CONTEÚDO
Pedestres usam máscaras de proteção nas ruas da cidade de Hong Kong, território chinês, onde o surto de coronavírus se iniciou. Crédito: VINCENT YU / AP / ESTADÃO CONTEÚDO

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia no Estado, Alexandre Rodrigues da Silva,  não existe orientação neste sentido, basta lavar as peças com água e sabão. Segundo o infectologista, quando se lava as mãos e as roupas, o vírus não sobrevive.  Confira abaixo mais informações sobre a doença.

O que é o novo coronavírus?

É um vírus que tem causado doença respiratória pelo novo agente coronavírus (SARS-CoV-2), foi descoberto no fim de dezembro de 2019 após ter casos registrados na China. Faz parte de uma grande família viral, conhecida desde meados de 1960, e que causa infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Geralmente, infecções por coronavírus causam doenças respiratórias leves a moderadas, semelhante a um resfriado comum. Alguns podem causar doenças graves como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), identificada em 2002 e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS), identificada em 2012.

Qual a forma de transmissão do vírus?

Segundo o Ministério da Saúde, ainda não está claro com que facilidade o novo coronavírus se espalha de pessoa para pessoa. As investigações estão em andamento, mas a disseminação está ocorrendo e pode ser de forma continuada.

Existe alguma forma de prevenção?

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção. Dentre elas: realizar frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir alimentos; utilizar lenço descartável para higiene nasal; cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafa; manter os ambientes bem ventilados; evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença.

Quais são os sintomas do novo coronavírus?

Casos mais leves podem se parecer com gripe ou resfriado comum, dificultando a detecção. Já casos mais graves podem evoluir para pneumonia e síndrome respiratória aguda grave ou causar insuficiência renal. Os sintomas incluem febre alta, tosse, dificuldade para respirar e lesões pulmonares.

Se alguém apresentar esses sintomas, o que deve ser feito com esse paciente?

O caso suspeito deve ser levado a uma unidade de atendimento de saúde onde deverá utilizar máscara cirúrgica e ser acomodado em quarto privativo. O profissional de saúde deve coletar as amostras respiratórias e encaminhar os casos graves para um hospital de referência para isolamento e tratamento.

Quem pode ser mais afetado pelo coronavírus?

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia do Estado, Alexandre Rodrigues da Silva, qualquer pessoa pode ser afetada, mas quem apresenta doenças pré-existentes, como respiratória, cardíaca, diabetes, hipertensão, tem risco de mortalidade maior. Na maioria dos casos, os sintomas são leves.

É preciso queimar (incinerar) as roupas após contato com paciente infectado?

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia do Estado, Alexandre Rodrigues da Silva, não existe orientação para neste sentido. Segundo o infectologista, quando se lava as mãos e as roupas, o vírus não sobrevive. "A fonte de contaminação é mão. Basta lavar com água e sabão", explica.

Como é feito o diagnóstico do novo coronavírus?

O diagnóstico é feito com a coleta de materiais respiratórios. É necessária a coleta de duas amostras que serão encaminhadas para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica.

Como é feito o tratamento do novo coronavírus?

O tratamento é feito com base nos sintomas de cada paciente.

Existe alguma restrição internacional?

Com o aumento do nível de alerta pela OMS para alto em relação ao risco global do novo coronavírus, o Ministério da Saúde orienta a partir do dia 28 de janeiro que viagens para a China devem ser realizadas em casos de extrema necessidade. Na última sexta-feira (21), o Ministério da Saúde passou a enquadrar também, na definição de casos suspeitos de Covid-19, pessoas com histórico de viagens a outros sete países: Japão, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Singapura, Camboja, Vietnã e Tailândia. A mudança ocorreu devido ao aumento de 14% no número de novos casos fora da China

Este vídeo pode te interessar

Coronavírus deixa mundo em alerta

Trabalhadores vestindo roupas de proteção pulverizam desinfetante como precaução contra o coronavírus em uma garagem de ônibus em Seul, na Coreia   do Sul
Trabalhadores vestindo roupas de proteção pulverizam desinfetante como precaução contra o coronavírus em uma garagem de ônibus em Seul, na Coreia do Sul. AHN YOUNG-JOON / AP
Um oficial mede a temperatura dos passageiros estrangeiros desembarcados do navio de cruzeiro Diamond Princess antes do embarque em um ônibus no  Porto de Yokohama, perto de Tóquio.
Um oficial mede a temperatura dos passageiros estrangeiros desembarcados do navio de cruzeiro Diamond Princess antes do embarque em um ônibus no Porto de Yokohama, perto de Tóquio. EUGENE HOSHIKO / AP / ESTADÃO CONTEÚDO
Turistas usam máscaras de proteção na cidade de Veneza, na Itália, onde o tradicional evento de carnaval foi cancelado devido ao surto do novo coronavírus
Turistas usam máscaras de proteção na cidade de Veneza, na Itália, onde o tradicional evento de carnaval foi cancelado devido ao surto do novo coronavírus. RENATA BRITO / AP / ESTADÃO CONTEÚDO
Vista do H10 Adeje Palace, hotel localizado nas Ilhas Canárias, na Espanha, que foi colocado em quarentena após um médico italiano hospedado no local ter sido testado positivamente para o coronavírus
Vista do H10 Adeje Palace, hotel localizado nas Ilhas Canárias, na Espanha, que foi colocado em quarentena após um médico italiano hospedado no local ter sido testado positivamente para o coronavírus. ASSOCIATED PRESS / ESTADÃO CONTEÚDO
Pedestres usam máscaras de proteção nas ruas da cidade de Hong Kong, território chinês semiautônomo, nesta quarta-feira, 26. A China informou que foram registrados novos 406 casos e 52 mortes decorrentes de infecção pelo coronavírus
Pedestres usam máscaras de proteção nas ruas da cidade de Hong Kong, território chinês semiautônomo, nesta quarta-feira, 26. A China informou que foram registrados novos 406 casos e 52 mortes decorrentes de infecção pelo coronavírus. VINCENT YU / AP / ESTADÃO CONTEÚDO
Trabalhadores desinfetam trens do metrô como parte de uma ação de combate   ao surto do coronavírus em Teerã, no Irã
Trabalhadores desinfetam trens do metrô como parte de uma ação de combate ao surto do coronavírus em Teerã, no Irã. Sajjad Safai/Agência Estado
Tripulantes de voos usam roupa especial de proteção contra o coronavírus
Tripulantes de voos usam roupa especial de proteção contra o coronavírus. Divulgação
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus . Pedro Ladeira/Folhapress
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva de imprensa para falar sobre as medidas tomadas pelo governo em relação ao coronavírus

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.