ASSINE

Retomada do setor de petróleo e gás vai impulsionar economia do ES

Federação das Indústrias lançou documento com as ações necessárias para o crescimento do setor. Expectativa é que o Estado se beneficie com produção nacional dobrando até 2030

Publicado em 28/07/2020 às 20h30
Data: 06/12/2019 - ES - Linhares - Estação de tratamento de petróleo da Petrobras Fazenda Alegre
Estação de tratamento de petróleo da Petrobras Fazenda Alegre, em Linhares. Crédito: Carlos Alberto Silva

A recuperação do setor de petróleo e gás natural vai impulsionar a retomada da economia capixaba, aponta um estudo realizado pela Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes). Atualmente, o Estado é o terceiro maior produtor de petróleo do país e o quarto de gás, e as atividades de exploração e produção representam 21% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial do Espírito Santo

A Rota Estratégica para o futuro da indústria de óleo e gás no Estado, lançada na tarde terça-segunda-feira (28), aponta 258 ações que devem ser desenvolvidas para o crescimento do setor até 2035 (clique aqui para ver o documento). O estudo considera que em 10 anos o país vai estar entre os cinco maiores produtores do mundo e, com as ações apontadas, o Estado conseguirá usufruir dos benefícios do crescimento da produção nacional.

De acordo com o economista chefe da Findes, Marcelo Saintive, a médio e longo prazo, a expectativa é que o Estado se beneficie com isso. "Esse aumento de produção deve atrair mais empesas, investimentos e criar mais postos de trabalho em toda a cadeia do petróleo e gás natural. Queremos que o Espírito Santo seja reconhecido globalmente no setor como um local que tenha oportunidade e que atraia investimentos".

Além disso, fatores como a privatização de poços, a chegada de um novo navio-plataforma, o início novo mercado de gás natural e a desativação de campos (descomissionamento) vão impactar positivamento a geração de negócios no Estado.

Entre as ações da rota estratégica, estão 66 de curto prazo que poderiam reverter positivamente os impactos da pandemia do novo coronavírus para o setor. O economista aponta que rota estratégica é capaz de absorver a crise por meio de suas propostas, como capacitação das empresas para lidar com a crise e desenvolver novas tecnologia para o setor.

"O Estado aproveita pouco o potencial de desenvolvimento e inovação para o setor. Ele tem apenas 70 projeto em 10 anos, enquanto o Brasil todo produziu cerca de 10 mil. O Espírito Santo poderia fomentar essa área se focando no ensino e pesquisas nessa área", aponta.

O presidente da Findes, Léo de Castro, lembrou que os empregos no setor, até 2013, eram focadod na produção. A ideia é que as empresas que fazem parte da cadeia fornecedora passem a gerar mais empregos do que as de produção. 

"Essa é uma agenda nossa, que as industrias se instalem no Estado para serem fornecedoras. Estamos trabalhando com o Sebrae que as micro e pequenas empresas tenho acesso a esse mercado.  Nos últimos dois anos dobraram o número de empresas capixabas na cadeia fornecedora", disse.

indústria Findes Petróleo Gás Natural

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.