ASSINE

Polícia Federal prende chefões da Telexfree Carlos Costa e Wanzeler

Além das duas prisões, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão, também na região metropolitana da Grande Vitória

Publicado em 17/12/2019 às 08h56
Atualizado em 17/12/2019 às 19h09
Polícia Federal cumpre mandado de prisão de líderes da Telexfree. Crédito: Caique Verli
Polícia Federal cumpre mandado de prisão de líderes da Telexfree. Crédito: Caique Verli

Polícia Federal prendeu os chefões da Telexfree Carlos Costa e Carlos Wanzeler na manhã desta terça-feira, 17, na Grande Vitória, na Operação Alnilam, que investiga suposta ocultação de valores envolvidos com as atividades da Telexfree no Brasil.

As detenções dos empresários foram confirmadas pelo advogado criminal, Rafael Lima, que representa os dois líderes em processos criminais que correm na Justiça Federal. Ele diz não saber o motivo que levou o Judiciário a decretar a prisão preventiva. "Fomos surpreendidos com essa decisão. Vamos precisar conhecer o inquérito que levou a essa ação."

Segundo a defesa, Carlos Costa foi detido em casa, na Praia da Costa, em Vila Velha. Já Wanzeler foi detido enquanto ia para a academia. Eles devem ser encaminhados ao Departamento Médico Legal para fazer o exame de corpo de delito antes de serem encaminhados à Polícia Federal para prestar depoimento.

Além das duas prisões, foram cumpridos três mandados de busca e apreensão, também na região metropolitana da Grande Vitória - a Polícia Federal ainda não informou em quais endereços, nem os municípios nos quais foram cumpridos os mandados. Ao todo, 15 policiais federais participaram da operação.

Carlos Wanzeler e Carlos Costa, donos da Telexfree. Crédito: Reprodução/A GAZETA
Carlos Wanzeler e Carlos Costa, donos da Telexfree. Crédito: Reprodução/A GAZETA

“O objeto da investigação é a possível prática de lavagem de dinheiro (Art. 1º da Lei 9.613/98) em razão da suposta ocultação e dissimulação da propriedade de bens e valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal”, segundo informou a Polícia Federal em material enviado à imprensa.

USO DE LARANJAS PARA COMPRA E LOCAÇÃO DE IMÓVEIS

As investigações, que tiveram apoio do Ministério Público Federal no Espírito Santo, indicaram que valores recebidos pela Telexfree teriam sido ocultados para não serem alcançados pela Justiça. Em 2014 a Polícia Federal já havia deflagrado a operação Orion, que bloqueou bens da empresa.

Existe a suspeita de que imóveis teriam sido adquiridos em nome de laranjas com recursos diretamente ligados à atividade da Telexfree, bem como a posterior locação desses imóveis, gerando renda para os investigados.

OPERAÇÃO ALNILAM

Alnilam é o nome da quarta estrela mais brilhante da constelação de Orion. Como a primeira parte da operação se chamou Orion, a continuação da investigação recebeu o nome de uma das estrelas da constelação.

A Gazeta integra o

Saiba mais
grande vitória mpf pf (polícia federal) telexfree

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.