ASSINE

Obras de ferrovia entre Cariacica e Anchieta começam no final de 2021

Informação é do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Nova estrada de ferro será construída pela Vale, um investimento de aproximadamente R$ 2,5 bilhões

Publicado em 03/06/2020 às 16h02
Atualizado em 03/06/2020 às 19h38
Ferrovia vai ser construída para ligar Cariacica a Anchieta
Ferrovia vai ser construída para ligar Cariacica a Anchieta. Crédito: Tama66/Pixabay

As obras do primeiro trecho da Estrada de Ferro Vitória- Rio (EF 118), ligando Cariacica a Anchieta, devem ter início entre o final de 2021 e o começo de 2022, segundo anunciou o ministro da InfraestruturaTarcísio de Freitas, na manhã desta quarta-feira (03), em conferência on-line com o deputado federal Evair de Melo (PV).

De acordo com o ministro, a construção dessa etapa ficará sob responsabilidade da Vale como contrapartida pela prorrogação antecipada do contrato de concessão da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM).

“A Vale vai fazer todo o projeto [de engenharia] da ferrovia ligando Vitória ao Rio de Janeiro e construir o trecho inicial até Anchieta. Esse é o início da ferrovia 118, que no futuro vai ligar os dois Estados. Acho que a renovação da EFVM sai no segundo semestre, depois vamos passar pelo período de licenciamento, então, até o fim de 2021, início de 2022, a gente deve iniciar essa obra”, disse o ministro, citando investimentos de até R$ 2,5 bilhões para a construção do trecho.

“Depois tivermos todo o projeto veremos onde buscar o investimento para fazer o restante da ligação dessa ferrovia”, acrescentou o ministro ao dizer ainda que a nova infraestrutura será importante para atender ao Porto de Ubu e a Samarco, em Anchieta, num primeiro momento e futuramente o Porto Central, em Presidente Kennedy,  Porto de Açu, em São João da Barra, no Rio de Janeiro. 

Apesar de a primeira parte da ferrovia ser construída pela Vale, isso não quer dizer que ela será a responsável pela operação. Depois de pronta deverá ser feita a concessão do ramal ferroviário que determinará qual empresa será responsável por sua exploração. A companhia que arrematar a concessão deve ser a responsável em terminar as obras até o Rio.

Conforme A Gazeta havia noticiado com exclusividade, a previsão é que a Vale faça  72 quilômetros da linha férrea, de Cariacica até o Porto de Ubu, em Anchieta. Após todos os licenciamentos e desapropriações que a contratação de mão de obra deve ser iniciada.

DEMORA PARA RESOLVER RENOVAÇÃO ATRASA OBRAS DE NOVA FERROVIA

Apesar das previsões do ministro sobre as obras da ferrovia, a construção só vai começar após o governo federal finalizar o processo de renovação antecipada da EFVM. O contrato com suas exigências, ainda está em análise no Tribunal de Contas da União  (TCU) e o órgão tem criado empecilhos para autorizar o prolongamento das concessões.

A Corte, por exemplo, deu parecer desfavorável à renovação da Estrada de Ferro Carajás, também da Vale. Na live, Tarcísio de Freitas explica acreditar numa solução rápida para o impasse.

O acordo entre governo e a mineradora estava para ser assinado no ano passado, o que não ocorreu. No contrato a ser fechado entre empresa e União, estarão descritas todas as contrapartidas necessárias para a empresa obter a renovação antecipada da concessão da EFVM, que só vence em 2027.

Além da elaboração de todo o projeto de construção da Estrada de Ferro Vitória-Rio (EF-118) e da execução do primeiro trecho de obras, de Cariacica até Anchieta, contrato da Vale deve prever ainda a construção de um trecho da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico) e investimentos na própria malha da EFVM.

Aproximadamente, R$ 1 bilhão, segundo o ministro da Infraestrutura, será aplicado na resolução de conflitos com as comunidades cortas pela EFVM e também para a ampliação do transporte de passageiros.

Além da construção do primeiro trecho da estrada de ferro 118, estão previstos investimentos de R$ 1 bilhão na EFVM. De acordo com o ministro da Infraestrutura, o investimento vai ser feito na resolução de conflitos ferrovia-cidades e também para ampliar o transporte de passageiros.

“A Vitória a Minas é uma ferrovia de 1904 e transporta mais de 120 milhões de toneladas por ano, o que a coloca entre as 10 mais eficientes do planeta. Com os investimentos a serem feitos a gente deve ter uma ampliação no transporte de passageiros, com uma frequência maior e mais disponibilidade no trem de passageiros”, informou Tarcísio de Freitas.

Espírito Santo Tarcísio de Freitas espírito santo Vale SA

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.