ASSINE

Do preço do celular a roupas: como o coronavírus pode afetar seu bolso

Situação pode acontecer pela soma de dois fatores: o grande número de produtos e componentes que importamos da China e a desaceleração da produção chinesa

Publicado em 28/02/2020 às 06h00
Atualizado em 28/02/2020 às 13h59
Produtos eletrônicos podem ficar mais caros por conta da redução da produção chinesa. Crédito: Pixabay
Produtos eletrônicos podem ficar mais caros por conta da redução da produção chinesa. Crédito: Pixabay

Bolsas de Valores ao redor do mundo operando em queda e dólar em alta quebrando recordes a cada dia. De fato, o mercado não tem reagido bem à epidemia do novo coronavírus. Mas o reflexo dessa crise pode não se restringir aos grandes investidores e indústrias: ela também deve impactar o bolso dos consumidores mudando preços desde celulares à roupas.

Isso, segundo o conselheiro do Conselho Regional de Economia (Corecon) Naone Garcia, pode acontecer pela soma de dois fatores: o grande número de produtos e componentes que importamos da China e a desaceleração da produção chinesa.

“Nós importamos muitos produtos da China. E isso vai desde o fornecimento de materiais eletroeletrônicos - componentes de fogões, geladeiras, materiais de áudio, vídeo, ventiladores, secadores de cabelo - a roupas e demais produtos importados”, comentou Garcia.

“Ao mesmo tempo, já há uma previsão de redução do PIB [Produto Interno Bruto] chinês de 6% para 5,4% ou 5,8% em 2020”, acrescentou.

O especialista reforçou que o impacto nos preços e na economia vai variar conforme o tempo que demore até o problema ser contornado. “Em 2003 vivemos algo parecido com a epidemia de SARS. Porém, naquele ano a China representava 4% do PIB mundial e agora ela representa 16%”, ponderou o conselheiro do Corecon.

Outro fato que pode impactar no preço dos produtos é a alta do dólar. Nesta quinta-feira (27), a moeda americana ultrapassou os R$ 4,50 - operando em alta pela sétima sessão consecutiva -, e fechou o dia em R$ 4,47.

R$ 4,47

foi o valor que o dólar fechou nesta quinta-feira (27)

“A inflação americana está baixa, então o preço do produto, em si, não deve aumentar. Só que a gente no Brasil deve perceber uma alteração por causa da diferença dos valores das moedas. Do começo do ano para cá, o dólar já subiu 10% em relação ao real”, disse o PhD em Contabilidade e Finanças e professor da Fucape André Moura.

Se, por um lado, o preço dos produtos que os capixabas compram do exterior podem ficar mais caros, os que as indústrias locais vendem para a China podem ter preços reduzidos - o que também não é algo positivo para o Estado.

“A China compra muito minério de ferro, aço, pedras ornamentais, celulose e petróleo do Espírito Santo. Mas a demanda por esses produtos tende a cair. O barril de petróleo, por exemplo, deve cair cerca de 5%. Isso impactaria o recebimento de royalties”, destaca.

No dia 20 de fevereiro, por exemplo, o barril estava cotado em R$ 260,49. Já no dia 26, o preço caiu para R$ 228,83.

INDÚSTRIAS DO ES NÃO UTILIZAM MUITOS COMPONENTES CHINESES

O secretário de Estado de Desenvolvimento, Marcos Kneip, admite que como o Espírito Santo tem vocação para o comércio exterior, as influências do coronavírus geram certa preocupação. Em São Paulo, por exemplo, fábricas da LG e Motorola vão reduzir a produção de equipamentos enquanto o fornecimento de componentes não for normalizado.

No Brasil, indústrias que recebem componentes importados da China já estão dando férias coletivas para os funcionários. Em São Paulo, a unidade da LG vai parar por 10 dias a partir de segunda-feira (2). Já a Flextronics, que produz para a Motorola deu férias coletivas aos funcionários entre os dias 17 e 28 deste mês e que renovará a pausa entre 9 e 28 de março.

“Nossa indústria não corre esse risco. Já em outros Estados como São Paulo, Minas Gerais e Amazonas, que são ancorados na indústria automobilística e telefônica existe esse problema. Futuramente, se o problema não for resolvido, podemos vir a apresentar queda na movimentação portuária”, avaliou Kneip.

Marcos Kneip

Secretário de Estado de Desenvolvimento

"Hoje o Espírito Santo tem uma boa saúde financeira e temos condições de superar essa crise com tranquilidade"

INFLUÊNCIA DO CORONAVÍRUS NO PREÇO DO DÓLAR

O surto do coronavírus tem feito investidores enviar o dinheiro para mercados de menor risco. Com isso, o dólar - moeda da principal economia do mundo - segue se valorizando na comparação com outras moedas. As que mais sofrem com a diferença são as moedas dos países emergentes, como o real brasileiro.

PREÇO DAS ROUPAS PODE AUMENTAR

Entre os produtos importados da China estão roupas e tecidos. Havendo redução da produção, como já é observado com os produtos eletrônicos, é possível que ela se traduza em aumento do preço do produto - que deverá ser comprado em outros mercados com preços não tão competitivos.

PREÇO DO PETRÓLEO ESTÁ EM QUEDA

A possibilidade de redução da demanda chinesa por combustível tem feito o preço do barril de petróleo cair em todo o mundo.

TAXA SELIC PODE VOLTAR A SUBIR NA PRÓXIMA REUNIÃO DO COPOM

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) o relatório divulgado já informava sobre a possibilidade do aumento da taxa Selic - hoje em 4,25% - por conta do coronavírus. A lógica para o aumento é o possível reajuste de preços para cima.

Se os produtos, de fato, ficarem mais caros, o governo tem a opção de aumentar a taxa Selic na próxima reunião do Copom para tentar controlar a inflação, segundo explicou Naone Garcia.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Coronavírus espírito santo Taxa Selic China

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.