ASSINE

De cobrança a mais a troca de cartão: veja 7 golpes comuns no carnaval

Confira as dicas para não ter dor de cabeça após curtir a folia do carnaval durante o feriado

Publicado em 20/02/2020 às 11h05
Atualizado em 20/02/2020 às 14h27
Carnaval na Avenida Beira-mar, em Vitória. Crédito: Bernardo Coutinho
Carnaval na Avenida Beira-mar, em Vitória. Crédito: Bernardo Coutinho

Em meio à festa do carnaval de rua, o folião fica com sede e fome. Na hora de pagar pelo consumo, muita gente opta por usar o cartão de crédito ou débito, ou ainda um aplicativo no celular. Mas é importante prestar muita atenção para que a conta não saia mais cara ou que o seu cartão não seja roubado. Algumas quadrilhas aproveitam -se da multidão para aplicar golpes.

De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), como o momento é de festa, a distração dos consumidores vira um prato cheio no momento dos pagamentos para aplicar golpes como o da captura de senha seguida da troca de cartão - o mais comum no carnaval.

Nessa situação, o criminoso se passa por um vendedor ambulante e entrega a maquininha para o cliente digitar a senha. Então, ele presta atenção nos números que estão sendo digitados ou, então usa algum truque para desviar a atenção do comprador e faz com que a vítima coloque a senha no campo destinado ao valor da compra. Isso permite ao bandido descobrir o código secreto. 

Ainda aproveitando a falta de atenção do cliente, o criminoso consegue trocar o cartão e devolver outro parecido. Na maioria das vezes, isso só é percebido muito tempo depois, quando a pessoa tentar usar o cartão novamente.

Adriano Volpini

Diretor da comissão de Prevenção a Fraudes da Febraban

"Fique sempre atento ao seu cartão e confira a devolução. Veja se os números da sua senha estão aparecendo na tela quando você a digita: isso não pode acontecer. Lembre-se que o campo de senha mostra apenas asteriscos"

O diretor da comissão de Prevenção a Fraudes da Febraban, Adriano Volpini, alerta ainda a importância de comunicar ao banco o roubo, furto ou perda do cartão. O mesmo vale para o caso de furto, roubo ou perda do celular. Caso o ladrão consiga desbloquear o aparelho telefônico, ele pode ter acesso à conta da vítima pelo aplicativo do banco ou de compras, por exemplo.

“Quando a pessoa tem seu celular roubado, ela se lembra de fazer o boletim de ocorrência e avisar a empresa de telefonia e a operadora do cartão de crédito. Mas quase ninguém lembra de avisar ao banco”, alerta Volpini. Confira abaixo a lista dos golpes mais comuns e as dicas para não cair neles.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Carnaval no ES cartao clonado

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.