ASSINE

Análise: Selic baixa é "nova realidade do mercado brasileiro"

Para o doutor em Finanças e Contabilidade Fernando Galdi, a queda ainda mais acentuada da taxa básica de juros vai favorecer quem quer pegar empréstimo, mas pode prejudicar quem investe em renda fixa

Publicado em 05/02/2020 às 20h12
Atualizado em 06/02/2020 às 16h29
Taxa Selic está no menor patamar da história. Crédito: Reprodução/Web
Taxa Selic está no menor patamar da história. Crédito: Reprodução/Web

O corte na taxa Selic anunciado nesta quarta-feira (5) pelo Banco Central, de 4,5% para 4,25%, deve afetar tanto investidores quanto quem planeja pegar empréstimos. A Selic é a taxa básica de juros da economia e sofreu a quinta redução seguida, alcançando uma mínima histórica.


Para o doutor em Finanças e Contabilidade Fernando Galdi, a Selic baixa é "a nova realidade do mercado brasileiro". Ela reduzirá ainda mais a rentabilidade dos títulos de renda fixa, forçando mais pessoas físicas a investirem no mercado de ações, uma tendência que já tem sido observada nos últimos meses. Por outro lado, essa queda também deve fortalecer a facilidade de tomada de investimentos, já que os juros dos bancos também devem sofrer queda. Veja análise completa abaixo.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Banco Central Taxa Selic

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.