ASSINE

"Roubar não vou, mas não sei o que fazer", diz pedreiro que não conseguiu chegar ao trabalho no ES

Com seis filhos em casa e passando necessidades, trabalhador criticou a manifestação, que deixou os capixabas sem ônibus no início desta terça-feira (13)

Publicado em 13/04/2021 às 09h02
O pedreiro Ademir Pereira da Silva ficou duas semanas sem trabalhar e lamentou protesto de rodoviários nesta terça (13)
O pedreiro Ademir Pereira da Silva ficou duas semanas sem trabalhar e lamentou protesto de rodoviários nesta terça (13). Crédito: Kaique Dias

Sem transporte público, o pedreiro Ademir Pereira da Silva se viu obrigado a ficar em casa por duas semanas. Mas, sem poder trabalhar, a comida começou a faltar em casa e as dificuldades aumentaram. Na manhã desta terça-feira (13), ele acordou cedo na esperança de conseguir chegar ao trabalho, mas foi surpreendido pela manifestação do Sindicato dos Rodoviários.

O pedreiro saiu de casa, no bairro Nova Esperança II, em Cariacica, e pretendia chegar a Vila Velha. Com a carona de um amigo, conseguiu chegar apenas até o terminal de Campo Grande, onde esperava por um ônibus há cerca de duas horas. Em casa, os seis filhos passam por dificuldades.

Ademir Pereira da Silva

Pedreiro

"Essa manifestação está atrasando a gente um pouco. Estou há duas semanas sem trabalhar. A situação está muito difícil em casa. A gente quer trabalhar, mas eles não estão deixando. E os filhos da gente em casa passando necessidade. Eu não sei nem mais o que fazer"

O transporte público é a única maneira que Ademir tem para chegar ao trabalho. Com a remuneração paga por dia trabalhado, ele diz que, se chegar atrasado, corre o risco de perder um dia inteiro de serviço. 

"Eu não tenho dinheiro para ir até lá. Não tem outra situação para fazer. Aí quando acontece da gente fazer o que não quer, eles querem prender a gente. Mas não querem deixar a gente trabalhar. Espero trabalhar hoje ainda, mas como não é dia fechado, eles descontam o dia da gente", lamentou.

Ademir Pereira da Silva

Pedreiro

"Tenho seis filhos em casa. Ontem mesmo eu tive que vender alguma coisa minha de dentro de casa para ter o que comer para os meus filhos. Roubar eu não vou. Mas eu não sei o que fazer mais."

PROTESTO

O protesto do Sindicato dos Rodoviários terminou às 9 horas desta terça (13), conforme o prometido. A categoria quer a inclusão de motoristas e cobradores no grupo prioritário de vacinação contra a Covid-19. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Sistema Transcol Coronavírus no ES sindirodoviários Protestos

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.