Policial orienta pai por telefone e ajuda a salvar bebê engasgada no ES

O Sargento Candote, atendeu o telefone e com orientações ajudou o pai a salvar a pequena Mayla, de apenas um mês de vida, em Ecoporanga

Colatina / Rede Gazeta
Publicado em 23/02/2021 às 18h53
Policial militar ajuda desengasgar bebê pelo telefone
Policial militar ajuda desengasgar bebê pelo telefone. Crédito: Itamar Júnior

Pelo telefone, um policial de Ecoporanga, no Noroeste do Espírito Santo, ajudou a salvar uma bebê de apenas um mês de vida, que estava engasgada. O militar orientou o pai da bebê a fazer as técnicas para que a menina voltasse a respirar.

O caso foi registrado na manhã do último sábado (20). Era por volta das 7h30, quando o telefone foi atendido na sede da PM em Ecoporanga. Do outro lado, estava um morador do bairro Bela Vista I. Vilson Pires, muito nervoso, pedia socorro para salvar a vida da pequena Mayla, que estava engasgada e sem conseguir respirar.

“No momento, percebi que ele estava desesperado, muito nervoso e com bastante dificuldade de entender o que eu estava falando”, lembrou o Sargento Candote. O militar assumiu a ligação e a missão de ajudar aquela família.

Sargento Candote, policial militar em Ecoporanga
Sargento Candote, policial militar em Ecoporanga. Crédito: Acevo Pessoal

A menina já estava sem respirar há alguns minutos. “Eu amamentei a minha filha e voltamos a dormir. Como o berço dela está do lado da nossa cama, eu ouvi ela resmungando. Quando peguei ela, a Mayla estava com uma espuma na boca e não conseguia mais respirar”, relatou a mãe, Maiara.

O filho mais velho do casal ainda precisou correr para chamar o pai que estava trabalhando nas proximidades da residência da família. “Eu não consegui soltá-la, estava com medo de soltar e acontecer alguma coisa. Eu só conseguia chupar o narizinho dela até o meu marido chegar”, lembrou a mãe.

Diante do desespero do pai, o sargento pediu que ele se acalmasse e seguisse com muita atenção as orientações que ele passaria pelo telefone.

Sargento Candote 

Polícia Militar 

"Pedi para que ele virasse a criança de bruços e que desse alguns tapinhas leves em suas costas. Depois, enrolasse uma fralda de pano no dedo e limpasse a secreção que saísse da boca. Caso a criança não voltasse a respirar, orientei a fazer respiração boca a boca. Durante um período de tempo entre 20 segundos e um minuto a criança começou a chorar, e a partir daí procurei tranquilizá-los, pois a criança já havia desengasgado"

Após a orientação, o militar ainda seguiu até a casa da família, onde encontrou os pais da criança ainda desesperados. Ele levou a garota até o hospital da cidade onde os médicos a atenderam. Ela foi avaliada e liberada. 

Com mais de duas décadas dedicadas ao trabalho na PM, o sargento contou que já passou por treinamentos para aprender esse tipo de técnica, mas a experiência como pai também foi um diferencial. “Já tive algumas palestras com base teórica, e sou pai de três filhos, passando por esses momentos, dessa forma adquirindo experiência prática”, relatou Candote.

O militar afirmou que ajudar a salvar a pequena Mayla foi um momento de muita satisfação. “O sentimento é de muita felicidade por poder contribuir com minha experiência em um momento tão difícil para o jovem casal de pais e por poder ajudar o bebê a voltar à normalidade. Agradeço muito a Deus e aos meus companheiros de equipe por todo apoio durante nossos serviços”, disse.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.