ASSINE

Médico do ES avalia riscos e importância de cuidados para a volta às aulas

Infectologista Lauro Ferreira Pinto mostra preocupação com um retorno das aulas presenciais sem uma maior discussão sobre os protocolos sanitários, já que estudo aponta que crianças têm maior carga viral da doença e representam grande risco de contágio

Publicado em 21/08/2020 às 10h12
Atualizado em 21/08/2020 às 11h03
Foto de escola com sala de aula vazia
Ainda não há uma data estabelecida para o retorno das aulas presenciais no Estado. Crédito: Divulgação/Prefeitura de Linhares

Um estudo realizado recentemente pela conceituada pela Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, revelou que as crianças podem carregar uma alta carga viral da Covid-19 e podem ser mais contagiosas do que os adultos. O infectologista Lauro Ferreira Pinto comentou, diante desse cenário, sobre o contágio da doença em entrevista concedida ao programa Bom Dia ES, da TV Gazeta.

Na visão do especialista em Infectologia, este quadro pode representar uma necessidade de se discutir ainda mais o retorno às atividades escolares presenciais, visto que demandaria atenção especial aos protocolos sanitários, assim evitando que esse potencial transmissor – indicado pelo estudo nas crianças – venha a se manifestar, gerando uma nova onda de contágio.

"Tem que ter cuidado com criança. Penso que entra, inclusive, no debate de voltarem às escolas. Mantê-las longe dos colégios é, sim, um problema, provoca prejuízos E é uma situação que uma hora terá de ser resolvida, mas não deixa de ser uma discussão complexa. Quando as aulas retornarem terão de redobrar os cuidados com o controle de transmissão porque elas representam um risco muito grande aos adultos", salienta o médico.

Coronavírus
O infectologista Lauro Ferreira Pinto explicou como as crianças podem ter carga viral elevada da Covid-19. Crédito: Reprodução/TV Gazeta

Apesar de o estudo ter sido revelado há poucas semanas, para o infectologista o mesmo não trouxe tanta novidade, pois já existiam indicações de que as crianças poderiam sim possuir uma elevada carga do vírus da Covid-19.

"Esse estudo saiu publicado agora, mas não chega a abordar algo novo. Um estudo semelhante já foi publicado pelo Jornal da Sociedade Médica Americana. Mas sempre se pensou que as crianças tivessem menos receptores do nariz, o que seria uma possibilidade de se infectarem menos. Mas este estudo acompanhou um número não muito grande de crianças, cerca de 48, porém é o maior relacionado a elas. O resultado mostrou que mesmo crianças de pouca idade, sem sintomas como corrimento nasal ou alergia, apresentavam uma carga viral nos dois primeiros anos muito maior que adultos", detalhou.

Coronavírus
Um estudo da Universidade de Havard apontou que crianças podem ter carga viral mais elevada que adultos. Crédito: DIvulgação

SEM EXPLICAÇÃO

Apesar dos resultados até certo ponto surpreendentes, o infectologista e a Medicina ainda não conseguem explicar por que mesmo com essa carga viral tão alta as crianças não desenvolvem tanto a doença, mas o estudo indica que não basta rastrear a criança apenas com base em sintomas leves como a febre, por exemplo.

Lauro Ferreira salienta que é necessário o distanciamento e o uso de máscaras em crianças a partir dos dois anos. Caso o contato seja inevitável, o aconselhável é manter uma distância mínima, evitar respirar próximo dos pequenos, evitar abraços e outras formas de aproximação física que possibilitem mais riscos de contágio.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Educação Espírito Santo Coronavírus no ES Covid-19 espírito santo Escolas particulares Escolas Públicas

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.