ASSINE

Mais uma advogada é presa suspeita de envolvimento com facção no ES

Ela se apresentou na manhã desta sexta-feira (13) aos promotores do Gaeco. Ao todo dez advogados são investigados por transmitirem informações de presos para lideranças de organizações criminosas

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 13/08/2021 às 14h51
Atualizado em 13/08/2021 às 18h45
Operação Armistício
Equipe do Gaeco chega à sede do Ministério Público Estadual, em Vila Velha, com documentos aprendidos na Operação Armistício. . Crédito: Carlos Alberto Silva

Foi presa na manhã desta sexta-feira (13) mais uma advogada investigada sob a suspeita de transmitir informações entre detentos e líderes da facção criminosa autointitulada Primeiro Comando de Vitória (PCV). Ao todo dez advogados são investigados na “Operação Armistício”, realizada pelo Ministério Público do Espírito Santo (MPES).

Patrícia dos Santos Ferreira Cavalcanti se apresentou aos promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MPES,  e logo depois foi conduzida ao sistema prisional, onde receberá uma tornozeleira eletrônica. 

No último dia 13,  o Gaeco cumpriu 37 mandados de prisão preventiva e 13 de busca e apreensão na Grande Vitória, Aracruz e São Mateus. Contaram com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES, da Diretoria de Inteligência da Polícia Militar do Espírito Santo (DINT- PMES) e do 7º Batalhão.

  1. Márcia Borlini Marim Sanches
  2. Lina Demoner Medani
  3. Tristão Lucas Depolo Muniz
  4. Chayene Evelyn Carvalho Moraes
  5. Emanuella Carlette Sobreira
  6. Paloma Maroto Gasiglia
  7. Joyce da Silva Boroto
  8. Alzemir Rosa Miranda Ramos
  9. Thelma Barcellos Bernardes
  10. Patrícia dos Santos Ferreira Cavalcanti

ATUAÇÃO COM LÍDERES

Na decisão da 10ª Vara Criminal de Vitória, assinada por três juízes, é dito que a advogada Patrícia é a que possui maior trânsito com os líderes da organização criminosa PCV, além do Tudo12 e o Trem Bala. “Gozando de grande prestígio junto à facção, além da mais sólida confiança de Fernando Moraes Pereira Pimenta, o Marujo”, diz o texto da decisão.

Marujo é o principal líder da organização criminosa que ainda não foi preso, já que a principal liderança do PCV, Carlos Alberto Furtado, o Beto, está preso há mais de dez anos.

É informado que consta na denúncia apresentada pelo MPES à Justiça que Patrícia possui ascendência sobre demais advogados investigados, especialmente em relação a Thelma Barcelos Bernardes. “Conforme comprova os depoimentos coletados nos autos do procedimento investigativo, com clara aderência dela ao setor jurídico da organização criminosa. Restou demonstrado, também, que ela é a única advogada que atua em processos judiciais ou procedimentos investigativos em favor de Fernando Marujo”.

É dito ainda na decisão que, em decorrência de sua “posição privilegiada” na estrutura do setor jurídico da organização criminosa, ela não se destaca na extensa lista de atendimentos aos detentos realizados nas unidades prisionais. “Contudo, foi apurado que os atendimentos e as comunicações ilícitas feitas por Thelma tinham a gestão e ingerência de Patrícia, que a recrutou para a realização dessas atividades”, é dito no texto da decisão.

INTEGRANDO A ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA

É relatado ainda no texto dos juízes que, em sua denúncia, o MPES aponta que a Patrícia mantém contato frequente com Fernando Marujo para permitir que membros da organização criminosa se comuniquem, mesmos presos, viabilizando a perpetuação das atividades do grupo criminoso.

INVESTIGAÇÃO

A investigação teve início em 2019. Entre os 37 mandados, estão os  de 10 dos advogados e também outros cinco presos capixabas que são apontados como lideranças do PCV.

Em pouco mais de um ano, a liderança Carlos Alberto Furtado teve 89 advogados diferentes, recebendo 378 visitas, quase uma visita por dia, por exemplo. Para o Ministério Público, isso significa que muitos profissionais que fazem as visitas não têm vinculação com os processos judiciais dos envolvidos, ou seja, não exercem a função advocatícia.

Após a operação, cinco detentos foram transferidos para um presídio federal, fora do Espírito Santo, exatamente na tentativa de desarticular as negociações e planejamento da organização criminosa. Na lista dos mandados, também há um para Fernando Moraes Pereira Pimenta, o Marujo, que segue foragido e também é procurado pelas forças de segurança do Rio de Janeiro.

OUTRO LADO

A reportagem tenta contato com a defesa dos advogados investigados. Por nota, a OAB-ES informou que  "está acompanhando o caso e acrescenta que tomará as providências cabíveis, observando o Código de Ética e Disciplina e as prerrogativas da advocacia".

Correção

13 de Agosto de 2021 às 18:45

A matéria informava, anteriormente, que a decisão judicial era da Quarta Vara Criminal de Vitória. O correto é  10ª Vara Criminal de Vitória.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Gaeco MPES MPES Advogado PCV

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.