ASSINE

Internet: compartilhar sinal com vizinho é prática ilegal? Entenda

Há quem divida o plano de internet com o vizinho de prédio ou até mesmo de rua. Facilidade e preço inferior são vantagens. Mas será que o compartilhamento é permitido?

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 27/07/2021 às 17h32
Saiba como otimizar buscas na internet
Segundo Anatel, compartilhamento exige autorização. Crédito: Pexels

Uma boa conexão de internet que não dê dor de cabeça. Talvez esse seja o desejo de muitos brasileiros, principalmente durante a pandemia, quando parte da população fez o caminho contrário: foi do trabalho para casa, evitando a proliferação do novo coronavírus. Em meio ao home office ou mesmo antes do período pandêmico, a exigência com a conexão de internet é sempre alta. A bronca fica entre o valor que é pago e a velocidade da conexão alcançada. Mas saiba que não vale tudo por uma boa conexão.

Há quem se aproveite da conexão alheia. Em muitos casos o vizinho de prédio ou até mesmo de rua tem uma rede Wi-Fi superior. O compartilhamento do sinal de internet, inclusive quando há uma ajuda de custo, é ilegal, salvo raras exceções.

Disponibilizar a rede para o vizinho que mora no edifício ao lado ou para quem mora no apartamento de cima não é permitido, segundo regras da Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel.

A Lei Geral das Telecomunicações estabelece que a exploração, comercial ou não, de serviço de telecomunicações em regime privado dependerá de uma autorização prévia da Anatel. Ou seja, o ato pode ser considerado ilegal mesmo que você colabore com o pagamento da conta mensalmente.

Ainda segundo a Anatel, a distribuição de sinal de Internet para CPF/CNPJ diferente do que contratou o serviço não é permitida sem autorização.

O tema não se encaixa apenas na relação entre vizinhos, mas pode incluir também a atuação de empresas clandestinas.

Para o advogado Luiz Gustavo Tardin, comentarista do quadro Olho Vivo, da Rádio CBN Vitória, o compartilhamento tem implicações no direito do consumidor. O advogado lembra que quem paga barato para uma empresa clandestina pode estar sendo enganado.

Em entrevista à jornalista Patrícia Vallim, Tardin ressaltou que a comercialização ilegal não garante um serviço prestado de forma satisfatória ao consumidor.

O comentarista da CBN Vitória cita um caso específico, ocorrido no ano de 2019, quando Superior Tribunal de Justiça decidiu manter a prisão de duas pessoas que estavam fornecendo internet via rádio sem autorização da Anatel.

O caso mostra, segundo o especialista, que o entendimento é: transmitir sinal de internet de forma clandestina caracteriza um delito.

O QUE PODE ACONTECER EM CASO DE COMPARTILHAMENTO INDEVIDO DE INTERNET?

Celular tem funcionado como uma extensão do corpo e riscos aumentam com importância do aparelho nas nossas vidas
Compartilhamento sem autorização pode render multa. Crédito: Freepik

Luiz Gustavo Tardin explica que em caso de fiscalização, o sujeito que compartilha internet com outras pessoas na vizinhança pode enfrentar problemas legais. Segundo o advogado, a multa nesse caso pode chegar a R$ 8 mil.

Luiz Gustavo Tardin

Advogado e comentarista da CBN Vitória

"A Anatel tem uma possibilidade de aplicação de multa para quem compartilha a conexão de forma indevida. A multa pode chegar a R$ 8 mil. Caso a empresa fornecedora de internet consiga demonstrar que houve algum prejuízo, também há a possibilidade de cobrança de multa por perdas e danos"

QUERO COMPARTILHAR INTERNET. É POSSÍVEL OBTER ALGUMA AUTORIZAÇÃO?

Sede da Anatel em Brasília: a telefonia celular (pós-paga e pré-paga) é o principal alvo de reclamações no ES
Sede da Anatel em Brasília. Crédito: Anatel

A Anatel informa que caso o assinante queira compartilhar o serviço com vizinhos além dos limites de sua edificação, precisa de uma autorização prévia.

Não basta a autorização. É preciso ainda observar no contrato com a fornecedora de internet se há cláusula contratual que vede esse compartilhamento.

Alguns casos são considerados exceção. Em algumas ocasiões, conforme aprovado em resolução, entidades sem fins lucrativos, além de órgãos ou entidades da Administração Pública, poderão disponibilizar conexão à internet.

Denúncias sobre provedores irregulares de internet podem ser feitas no site da Anatel.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Internet Redes Sociais cbn vitoria Direito do Consumidor luiz gustavo tardin

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.