ASSINE

Família diz que aumentou cova para sepultar mãe e filha no ES: "Humilhante"

Emanuelly Silva, que perdeu a mãe e a irmã assassinadas na última quarta-feira em Marataízes, contou que a cova era rasa e muito estreita. "Meu avô, meu tio e um primo encontraram uma pá e aumentaram", disse. Prefeitura nega

Cachoeiro de Itapemirim / Rede Gazeta
Publicado em 20/09/2021 às 12h37
Charlene de Lemes Gonçalves, de 40 anos, e a filha dela, Ysaquiely Junia Gonçalves de Araújo, de 11 anos
Ysaquiely Junia Gonçalves de Araújo, de 11 anos, e Charlene de Lemes Gonçalves, de 40 anos. Crédito: Montagem| A Gazeta

Após ter que esperar por mais de 30 horas pela liberação dos corpos no Serviço Médico Legal (SML) de Cachoeiro de Itapemirim, a família de Charlene de Lemes Gonçalves, de 40 anos, e da filha dela, Ysaquiely Junia Gonçalves de Araújo, de 11 anos, afirma que precisou aumentar as covas durante o sepultamento, na noite da última sexta-feira (17).

Segundo a filha de Charlene, Emanuelly Silva, os corpos demoraram a ser liberados por conta da falta de médico legista na unidade do SML. Sabendo da demora, ela conta que foi avisado aos funcionários do cemitério do bairro Coronel Borges, que o enterro seria tarde.

“A cova era rasa e muito estreita. Meu avô, meu tio e um primo encontraram uma pá e aumentaram. Não tinha nenhum funcionário para ajudar, uma escuridão”, contou Emanuelly.

Emanuelly Silva

Filha e irmã das vítimas 

"Elas foram enterradas juntas. Foi humilhante. Pensava que iria poder me despedir de minha mãe e minha irmã"

O QUE DIZ A PREFEITURA

Ao contrário do que a família contou, a prefeitura disse, por meio de nota, que a Secretaria de Manutenção e Serviços de Cachoeiro informou que não houve nenhuma intercorrência durante o sepultamento das vítimas e que foi prestada toda a assistência necessária à família. O sepultamento, inclusive, ocorreu após o horário de atendimento do cemitério municipal, que é até as 17h.

O CRIME 

Segundo o delegado de Itapemirim, Edson Lopes Júnior, Charlene e Michael estavam separados havia cerca de 5 meses. Na noite de quarta, Michael pulou o muro e invadiu a casa da ex-companheira para matá-la. A filha Ysaquiely entrou na frente para defender a mãe e acabou sendo esfaqueada também. Michael Prates Garcia, de 31 anos, foi preso em flagrante pela Guarda Municipal de Marataízes, levado para a 7ª Delegacia Regional de Itapemirim e encaminhado ao sistema penitenciário. Segundo o delegado, ele já tinha passagens por homicídio e tráfico de drogas.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.