ASSINE

Estudo alerta para aumento de até 2,1°C na Bacia do Rio Doce

Mudança deve diminuir precipitação em todo o Espírito Santo nos próximos 60 anos, com secas prolongadas; também há previsão de chuvas intensas

Publicado em 23/07/2020 às 20h04
Atualizado em 24/07/2020 às 15h48
Data 01/12/2015 - ES - Colatina - Situação Rio Doce, em Colatina, poluído por causa da lama da barragem que cedeu na mineradora da Samarco, em Mariana  - Editoria Cidades - Foto Carlos Alberto
Situação Rio Doce, em Colatina, poluído por causa da lama da barragem que cedeu na mineradora da Samarco, em Mariana. Crédito: Carlos Alberto

Embora possa parecer pequeno, um aumento de até 2,1°C está previsto para acontecer ao longo dos próximos 30 anos na região da Bacia do Rio Doce que fica no Espírito Santo. As consequências? Diversos problemas socioambientais, como secas prolongadas, com efeitos, inclusive, econômicos.

A mudança climática e os respectivos efeitos dela constam em um relatório divulgado pelo Painel Independente do Rio Doce, nessa terça-feira (21). “A previsão é que doenças emergentes e racionamentos de água ocorram com mais frequência”, alerta o texto, logo nas primeiras páginas.

mais de 3 milhões

de pessoas dependem do Rio Doce para ter acesso à água doce e garantir a própria subsistência, no ES e em MG

A conclusão é de que as alterações no clima podem trazer maior ameaça aos sistemas naturais, às comunidades locais e até às empresas que atuam na bacia hidrográfica. Levado em consideração, um estudo da Fundação do Meio Ambiente de Minas Gerais (Feam) elencou os dez principais prejuízos:

  • Perda da biodiversidade animal e vegetal;
  • Esgotamento das áreas de cultivo;
  • Diminuição da silvicultura (produção de madeira);
  • Redução da geração hidrelétrica;
  • Menores índices pluviométricos mensais;
  • Danos à saúde humana;
  • Crescimento dos processos de desertificação;
  • Aumento da frequência de chuvas intensas durante a estação chuvosa;
  • Pressão migratória sobre a população local;
  • Redução do Produto Interno Bruto (PIB) da região.

Embora um estudo equivalente não tenha sido feito com base no Espírito Santo, o relatório afirma que o regime climático e demais configurações ambientais “sugerem um cenário semelhante” no Estado. A principal diferença teria relação com os impactos extras previstos no litoral capixaba.

Lama do Rio Doce se encontra com o mar em Regência, Linhares
Lama do Rio Doce se encontra com o mar de Regência, em Linhares, no Norte do Estado. Crédito: Divulgação

De acordo com estudiosos, “a elevação do nível do mar deve afetar a foz do Rio Doce e suas áreas costeiras adjacentes, com risco iminente de inundações nas áreas urbanas e desencadeamento de processos erosivos na costa”. Os danos poderiam ir além de Linhares e chegarem à cidade de São Mateus, por exemplo.

PROBLEMAS AGRAVADOS PELO ROMPIMENTO DA BARRAGEM

Responsáveis pelo estudo também ressaltam que os problemas devem representar desafios significativamente maiores para a região, que ainda tenta se recuperar do rompimento da barragem da Samarco, localizada em Fundão (MG), em novembro de 2015, que despejou toneladas de minérios no leito do Rio Doce.

Grethel Aguilar

Diretora Geral Interina da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN), entidade que coordenou o relatório

"A expectativa é que a mudança climática agrave uma paisagem que já era frágil. Um exemplo são as chuvas torrenciais do primeiro semestre de 2020, que trouxeram à tona sedimentos com efeitos noviços, de cinco anos atrás"

Nesse sentido, o relatório também defende a revisão dos programas de recuperação implementados pela Fundação Renova, criada para comandar os trabalhos de reparação de danos causados pelo rompimento da barragem. Dos 42 projetos estabelecidos, 23 estariam ameaçados.

Data 26112015 - ES - Linhares - Rio Doce, em Regência, poluído pela lama da barragem da mineradora Samarco - Editoria Cidades - Foto Bernardo Coutinho - GZ
Imagem mostra a cor do Rio Doce em Linhares, após a chegada da lama com minérios, despejada com o rompimento da barragem da Samarco. Crédito: Bernardo Coutinho

“As secas, por exemplo, podem ter um forte efeito na sobrevivência das mudas usadas para a recuperação da vegetação. Ao mesmo tempo em que ameaçam a sobrevivência das árvores. Além de prejudicar a produtividade dos sistemas agroflorestais e de rotação de pastagens”, alertou o texto.

O QUE DIZ A RENOVA

A Gazeta entrou em contato com a Fundação Renova para saber o que será feito em relação aos programas que estariam ameaçados pelas mudanças climáticas. Veja a resposta abaixo. 

"A Fundação Renova informa que o Painel Independente de Assessoramento Científico e Técnico (ISTAP, na sigla em inglês) faz parte de uma parceria entre a entidade e a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), firmada em virtude da complexidade, escala e ineditismo do rompimento da barragem de Fundão. Coordenado pela IUCN, o Painel tem caráter técnico, independente e multidisciplinar, e reúne recomendações em diferentes níveis.

Importante ressaltar que as recomendações feitas pelo Painel do Rio Doce envolvem a reparação de forma ampliada e estão direcionadas a todos os atores que participam da governança, como o poder público nas esferas federal, estadual e municipal em suas várias áreas de atuação, autarquias, órgãos ambientais, reguladores e outros dentre as mais de 70 entidades que compõem este processo.

A parceria entre a Fundação Renova e a IUCN faz parte do envolvimento de mais de 25 universidades, ONGs e outras instituições na reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem."

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Meio Ambiente chuva espírito santo rio doce ES Norte

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.