ASSINE

Escola de Vitória suspende aulas para estudantes da educação especial

Informação de que os estudantes da instituição não teriam as atividades presenciais foi transmitida aos pais e responsáveis pelo corpo pedagógico da Emef Éber Louzada Zippinotti por telefone

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 28/07/2021 às 16h51
Escolas da educação básica sem alunos
Rede municipal de Vitória conta com 1.798 alunos matriculados na Educação Especial. Crédito: Divulgação/Prefeitura de Linhares

A Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Éber Louzada Zippinotti, localizada em Jardim da Penha, em Vitória, suspendeu as aulas para os alunos da Educação Especial por falta de estagiários. O quadro da instituição conta com um profissional.

A informação dando conta de que os estudantes da instituição não teriam as atividades presenciais foi transmitida aos pais e responsáveis pelo corpo pedagógico da Emef, por telefone, nesta terça-feira (27). 

Foi assim que a pedagoga Liliane Heringer soube que não deveria levar o filho, Samuel Henrique, de 9 anos, para unidade escolar na quarta-feira (28). Por causa do revezamento diário, o menino não frequentou a escola na terça. Ele tem síndrome de down.

"Esse já é o terceiro ano que a escola se nega a receber alunos da Educação Especial porque não tem estagiário para receber as crianças. Eles nos mandam cobrar a Secretaria de Educação. Na secretaria, dizem que pediram contratação ao setor de estágio. Volta para a escola, é a mesma resposta inicial. É responsabilidade minha, que sou mãe, encontrar estagiário ou é responsabilidade da secretaria se organizar para receber as crianças?", questiona a mãe.

A avó de Shopie Almeida, de 8 anos, Maria Almeida de Souza, de 55 anos, também disse que viveu o mesmo drama em 2019. Dessa vez, ligaram para a filha dela avisando sobre a falta de estagiários para supervisionar as crianças em sala de aula. 

"Minha neta é cadeirante e tem dificuldade motora. Ela teve um tumor cerebral quando tinha um ano, mas conversa e entende tudo. Ela tem dificuldade motora na mão e precisa da ajuda de alguém para escrever com ela. Disseram que vão resolver esse problema nesta semana, só que uma professora disse que tem um mês que eles estão falando isso", reclama.

"O estagiário tem função específica, ele acompanha a turma. A responsabilidade é do professor-regente, e além desse professor, temos um professor especialista, que dá auxílio na organização curricular. O estagiário acompanha a turma, ajuda numa atividade mais específica", detalha a secretária de Educação de Vitória, Juliana Rohsner.

ESTRUTURA DA REDE MUNICIPAL

A Secretaria de Educação de Vitória informou a rede municipal de ensino, que compreende 102 escolas, conta com 1.798 estudantes na Educação Especial. Desse total, 372 estão na Educação Infantil, 1.316 estudam no Ensino Fundamental enquanto 110 cursam o modelo de Educação para Jovens e Adultos (EJA). Somente na Emef Éber Louzada Zippinotti há 42 alunos matriculados .

A secretária de Educação de Vitória, Juliana Rohsner, afirmou que os alunos não tiveram as atividades suspensas por causa da falta de estagiários. Segundo a secretaria, o local conta atualmente com um profissional, sendo o que o ideal seriam sete.

A chefe da pasta explicou que o anúncio do governo do Estado, informando que seria obrigatório o retorno presencial na rede estadual, confundiu alguns pais e responsáveis pelos alunos. Em Vitória, a medida ainda é facultativa. 

"Isso acabou tumultuando e muitas famílias procuraram [as escolas], e as crianças que estavam no remoto de repente voltaram ao presencial. Paralelo a isso, houve muitos estagiários que durante a pandemia arrumaram outros empregos e pediram para cessar os contratos, além daqueles que trancaram a matrícula na faculdade", destaca Juliana.

Segundo a secretária, a prefeitura planeja estruturar a rede com 998 estagiários, sendo que atualmente está com 599. Juliana disse que 350 estão em fase de contratação. Cerca de 120 desse grupo devem entregar a documentação até o fim da próxima semana. Agora, o município está com processo seletivo aberto para contratar outros 49 profissionais.

"Vamos ter na semana que vem a chegada de 120. Está acontecendo essa falta, mas é uma falta por muitos motivos. Mesmo com o número reduzido, estamos garantindo atendimento. Em nenhum momento as aulas foram interrompidas. As escolas estão literalmente se organizando, não estamos com falta de professor, nem de cuidado, estamos com falta de estagiário", afirma.

Nesta quarta-feira (28), a secretária fará uma reunião com o corpo pedagógico e os pais dos alunos para discutir sobre a contratação dos estagiários e ouvir as demandas da comunidade escolar. O encontro será virtual.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.