ASSINE

Entenda por que o ES decidiu adotar vacinas diferentes para uma mesma pessoa

A princípio, governo do Estado defendia manutenção do mesmo fabricante para as duas doses. Agora, previsão é implementar regime misto com Astrazeneca e Pfizer

Publicado em 18/08/2021 às 20h40
Aplicando vacina
Estado deverá adotar a Pfizer para aplicação da D2 entre as pessoas que usaram a Astrazeneca na primeira dose. Crédito: Carlos Alberto Silva

À espera da autorização do Ministério da Saúde, que planeja ampliar a vacinação heteróloga - com doses de diferentes fabricantes em uma mesma pessoa -, o governo do Estado deverá adotar a estratégia na população do Espírito Santo, destinando a Astrazeneca para a primeira dose (D1) e Pfizer para a segunda (D2) contra a Covid-19

A mudança na condução da campanha de vacinação no Estado, que antes previa a manutenção do fabricante para aplicação das duas doses, é reflexo de uma nova conjuntura na oferta de imunizantes no país associada a estudos que indicam não haver prejuízo à segurança das pessoas, segundo afirma o secretário estadual da Saúde, Nésio Fernandes. 

"A decisão pela vacinação heteróloga não é uma questão de opinião; a Sesa (Secretaria da Saúde) não mudou de opinião. As condições é que são outras neste momento", frisa. 

Nésio Fernandes observa que o Estado não tem autonomia e governança para compra e distribuição das vacinas - atribuição do governo federal - e, para implementar a vacinação com diferentes fabricantes em cada dose, dependia da disponibilidade do imunizante. 

O país, lembra o secretário, passou por ciclos de instabilidade na entrega de remessas de vacina ao longo da pandemia e a adoção de esquemas heterólogos só se tornou viável a partir de agosto, com a ampla oferta de doses da Pfizer. Ele aponta, inclusive, que nos próximos três meses esse imunizante deve se tornar predominante entre as quatro opções utilizadas no país. 

O secretário cita que, se a estratégia tivesse sido adotada em junho, por exemplo, não haveria doses suficientes da Pfizer para aplicar a D2 em quem usou esse imunizante e a Astrazeneca na D1. Por isso, explica Nésio Fernandes, a estratégia como política pública depende de disponibilidade da vacina. 

"Além disso, os estudos mais recentes sobre a aplicação do esquema indicam que ganhou maior consenso entre a comunidade científica internacional", argumenta o secretário. 

A previsão é que a medida possa ser ampliada a partir do próximo mês, com autorização do Ministério da Saúde, que já tem nota técnica autorizando a vacinação heteróloga em casos específicos, como as grávidas que receberam a Astrazeneca - atualmente contraindicada para esse público. Especialistas também apontam não haver risco a segurança. 

A Gazeta integra o

Saiba mais
Espírito Santo Coronavírus no ES Covid-19 espírito santo Vacina Vacinas contra a Covid-19

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.