ASSINE

Enem: estudante do ES está entre os 28 candidatos com redação nota mil

Apenas 28 candidatos de todo o País atingiram a pontuação máxima em redação, segundo o Inep.  Estudante de Vitória foi uma das que conquistaram a nota mil

Publicado em 30/03/2021 às 16h56
A estudante está entre os 28 alunos que tiraram nota máxima
Ludmila Coelho Mendonça:  nota mil na redação do Enem. Crédito: Arquivo pessoal

A surpresa veio logo pela manhã, nesta terça-feira (30), quando a estudante Ludmila Coelho Mendonça, de 18 anos, conferiu os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e viu que conquistou pontuação máxima em redação. Moradora de Vitória, a jovem está no seleto grupo de  28 candidatos que tiraram nota 1.000. 

Segundo o Instiuto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2,7 milhões estudantes de todo o País fizeram o Enem 2020. Mais de 87 mil candidatos zeraram a redação. Por conta da pandemia do coronavírus, as provas  foram aplicadas em janeiro e fevereiro deste ano. 

Ludmila, que pretende cursar Medicina, conta que para ir bem no exame foi necessário ter disciplina com os estudos. Toda semana ela entregava uma redação à professora para ser corrigida. Além disso, usava os simulados para treinar ainda mais a escrita. 

"Minha professora incentivava muito a prática constante e hoje vejo o quanto foi importante. Além disso, construir um repertório sociocultural é indispensável e é algo desenvolvido ao longo dos anos", observa.

ROTINA ESCOLAR

Ludmila passava as manhãs assistindo as aulas on-line. À tarde, estudava cerca de quatro horas. Por conta da pandemia, a disciplina em casa foi indispensável.  "Os estudos foram intensos no ano passado. Assistia muitas aulas todos os dias e precisava estudar sozinha também. Foi muito difícil", pontuou.

Apesar do ritmo mais intenso de preparação,  a estudante ponderou sobre a importância do descanso.

 "Acredito muito mais na qualidade do estudo.  Eu estudava o que eu sentia que precisava, mas quando tinha que descansar e estudar menos, eu respeitava isso também. O descanso é importante, muitas pessoas acham que precisam estudar muitas horas seguidas, que não podem descansar. Eu e meus amigos mais próximos ficávamos nos vigiando. De vez em quando a gente falava: 'Ei, desacelera um pouco, não está te fazendo bem'", recorda.

A jovem,  que foi aluna da Escola São Domingos, em Vitória,  destaca ainda o apoio dos professores como outro ponto essencial. "Sempre tivemos uma relação muito boa com nossos professores, eles são anjos. Foi muito difícil o ensino à distância com a quarentena, tanto para os alunos quanto para os professores, mas a determinação deles para entregar o melhor trabalho possível dava uma força imensa para a gente", contou.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.