ASSINE

Em meio à pandemia, jovens se unem para ajudar 170 famílias de Cariacica

Doações feitas por site vão ser triplicadas. A cada R$ 1 colaborado, mais R$ 2 são investidos pelo fundo na campanha. A meta é arrecadar R$ 30 mil até o próximo dia 17. Veja como participar

Publicado em 03/06/2020 às 13h42
Atualizado em 03/06/2020 às 21h46
Cestas básicas entregues pela parceria Instituto Aprender Cultura e Construir no Presente para famílias de flexal II, em Cariacica
Cestas básicas entregues pela parceria Instituto Aprender Cultura e Construir no Presente para famílias de Flexal II, em Cariacica. Crédito: Arquivo pessoal

Com uma campanha on-line, jovens de duas instituições - Instituto Aprender Cultura e Construir no Presente - pretendem obter recursos para  ajudarem mais de 170 famílias da região de Flexal, em Cariacica. Tudo que for arrecadado será revertido para ajudar pessoas que estão com a renda prejudicada devido à pandemia do novo coronavírus.

A campanha “Cultura e Informação, fome não” foi aprovada em um programa da benfeitoria, Matchfunding Enfrente. E assim, as doações que forem arrecadadas vão ser triplicadas pela plataforma. A cada R$ 1 colaborado, mais R$ 2 são investidos pelo fundo na campanha.

A meta é de alcançar R$ 30 mil até o próximo dia 17 de junho. Hoje já contam com pouco mais de R$ 10 mil. O recurso será utilizado na compra de alimentos para as 170 famílias da região de Flexal II e bairros próximos.

Marina de Abreu Queiroz, coordenadora do projeto Construir no Presente
Marina de Abreu Queiroz, coordenadora do projeto Construir no Presente. Crédito: Arquivo pessoal

Segundo Marina de Abreu Queiroz, coordenadora do projeto Construir no Presente, a proposta é entregar, para cada família, cestas básicas, kits de higiene (máscara, álcool em gel) e kits agroecológicos (com feijão, abóbora, frutas). “A proposta é utilizar produtos de produtores locais ou de supermercados da região”, explica.

Marina relata que 40% das famílias necessitadas possuem muitos filhos. A maioria é formada por trabalhadores informais, sem fonte de renda. “Há famílias em condições muito precárias. Já encontramos casos de 12 pessoas fazendo comida em fogão a lenha, sem gás, em uma situação que já era bem complicada e que piorou em decorrência da pandemia”, explica.

Miq Gonçalves, diretor fundador do Instituto Aprender Cultura, explica que de três a sete dias após receber as doações, as cestas básicas começam a ser entregues. “Vamos marcar pequenos grupos de famílias para fazer a entrega e evitar aglomerações”, conta.

Este já é a segunda etapa de doações feitas pelos jovens. Na primeira conseguiram entregar um total de 66 cestas básicas. “Inicialmente foi uma ação mais despretensiosa e que deu certo. Agora queremos aumentar o número de famílias. Já temos em nosso cadastro mais de 220”, contou.

Miquéias Gonçalves,  diretor fundador do  Instituto Aprender Cultura
Miq Gonçalves, diretor fundador do Instituto Aprender Cultura. Crédito: Arquivo pessoal

Posteriormente eles querem fazer o acompanhamento destas pessoas que estão recebendo a ajuda. “Vamos checar quem precisa de novo atendimento, auxiliar alguns a obter alguma fonte de renda, fazer o acompanhamento”, explicou Miq.

COMO DOAR

Para as doações feitas pelo site, a cada R$ 1 colaborado, mais R$ 2 são investidos pelo fundo na campanha. Ela pode ser feita da seguinte forma:

  • Pelo site: benfeitoria.com/culturaeinformacao
  • Pelo Pic Pay: @iacflex
  • Depósitos ou transferências: Marina Queiroz: (27) 99509-0410 ou Miqueias Gonçalves: (27) 99617-6245

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.