ASSINE

Desejo antigo de pescadores, Prainha ganhará píer em Vila Velha

O local onde foi iniciada a colonização do Espírito Santo ganhará estrutura que dará suporte à colônia de pescadores e organizará a disposição das embarcações. Implementação do aquaviário ajudará projeto a sair do papel

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 04/05/2021 às 14h41
Vila Velha
A falta de um píer dificulta a atividade pesqueira na Prainha em Vila Velha. O projeto deve ser concluído e apresentado em cerca de 30 dias. Crédito: Divulgação/PMVV

Um desejo antigo dos pescadores profissionais, esportivos e artesanais da Prainha, em Vila Velha, está perto de ser concretizado. A prefeitura anunciou a construção de um píer na região, que facilitará a vida de quem necessita chegar até os barcos e que também servirá como um novo local para pescar em solo firme. A proposta ainda está em fase de projeto, que deverá ser apresentado em um prazo de 30 dias.

O píer é uma construção, um tipo de aterro, que avança para o mar para facilitar o embarque e desembarque de cargas e passageiros. Segundo a Prefeitura de Vila Velha, a decisão em erguê-lo se deu após reunião recente realizada com o vice-presidente da Colônia, Evan Haley Novaes dos Santos, com o coordenador de Pesca da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Gabriel Nunes, e o subsecretário de Estado da Agricultura e Pesca (Seag), Rodrigo Vaccari e equipe.

FORÇA DO AQUAVIÁRIO

A possibilidade do píer, enfim ser erguido, ganhou força com a confirmação da implantação do Terminal Aquaviário, o que tornou imprescindível a construção do píer na Prainha, na avaliação de Gabriel Nunes: "A reunião foi bem produtiva e o encaminhamento foi que a equipe da Seag fará um levantamento para apresentar um projeto básico do píer dentro de 30 dias. O píer vai permitir a permanência dos pescadores na atividade e um ordenamento das embarcações", afirma.

De fato, a organização deverá ser melhor com a entrega da estrutura. Atualmente, os pescadores chegam até as embarcações tendo que entrar na água ou através de barcos menores. Com o píer, o acesso será agilizado e as embarcações ficarão ordenadas ao longo da estrutura. Atualmente são cerca de 200 barcos pesqueiros fixos na região da Prainha. Além disso, os profissionais da pesca poderão subir ao mar com mais segurança. E, ao chegarem com a embarcação carregada, poderão fazer o escoamento do pescado com mais comodidade.

A prefeitura destacou ainda que, em parceria com a Seag, está estruturando um programa para atender as demandas das sete comunidades pesqueiras da cidade, que vão de Ponta da Fruta à Prainha. Além do píer, está em andamento o projeto de qualificação desses profissionais que atuam no município.

A reportagem de A Gazeta demandou a prefeitura para saber sobre os valores envolvidos e os prazos para a construção e entrega do píer da Prainha. Entretanto, até o momento da publicação desta reportagem, não houve retorno por parte da administração pública canela-verde. Assim que houver, as informações serão inseridas no texto.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.