Covid-19: secretário de Saúde do ES defende adiamento da prova do Enem

Nésio Fernandes afirmou que o contexto de alta transmissão da doença justifica mudança nas datas de aplicação das provas,  previstas para os dias 17 e 24 de janeiro

Vitória
Publicado em 12/01/2021 às 09h44
Atualizado em 12/01/2021 às 12h05
Secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, em pronunciamento nesta quarta-feira (09)
Secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes, destacou as diferentes realidades do território brasileiro. Crédito: Divulgação / Sesa

O secretário de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, defendeu o adiamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em suas redes sociais nesta terça-feira (12). Na publicação, o secretário ressaltou o contexto de alta transmissão do coronavírus em todo o Brasil para justificar uma mudança nas datas de aplicação das provas, previstas para os dias 17 e 24 de janeiro

Nésio faz parte do Congresso Nacional de Saúde (Conas) e informou que o adiamento do exame é apoiado por todos os membros do conselho. Na publicação, o secretário diz não ser adequado realizar um exame nacional de grandes proporções durante um período de alta transmissão da doença e ainda apontou as "realidades assimétricas no país".

O secretário reiterou também que todos os Estados do país possuem regiões de alta transmissão. Nésio lembrou que cada um possui protocolos específicos para a aplicação de atividades escolares e que o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) deveria ser capaz de cumpri-las, mas que, não sendo possível a adaptação às normas específicas, a decisão deveria ser por adiar a prova.

A pós-doutora em epidemiologia, Ethel Maciel, também já se mostrou favorável ao adiamento do Enem. Em suas redes sociais, Ethel afirmou que fatores como a circulação de uma variante mais transmissível do coronavírus no Brasil, além do aumento no número de mortes por conta da Covid-19, justificam a não realização do exame. Para Ethel, o formato da prova também precisa ser reavaliado, por conta da pandemia.

Apesar dos apelos das comunidades médica e científica, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, confirmou em entrevista à CNN Brasil nesta terça-feira (12) que o Enem não será adiado. O ministro alegou que foram tomadas todas as medidas de biossegurança possíveis e que o pedido de adiamento é feito por uma "minoria barulhenta".

A Justiça Federal analisa um pedido da Defensoria Pública da União para o adiamento do exame por considerar que não há forma segura de realizar o Enem no país. A ação protocolada na última sexta-feira (8), diz que "a prova está agendada exatamente no pico da segunda onda de infecções, sem que haja clareza sobre as providências adotadas para evitar-se a contaminação dos participantes da prova, estudantes e funcionários que a aplicarão".

A prova impressa do Enem começará a ser aplicada neste domingo (17) e terá o segundo dia de aplicação no outro domingo (24). Entre as obrigações do estudante, estão o uso obrigatório de máscara para impedir o contágio por Covid-19, além de protocolos específicos adotados para impedir a transmissão da doença durante o exame deste ano.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.