ASSINE

Conselho de Enfermagem denuncia risco de contaminação em PA de Vitória

O Conselho Regional denunciou, na última quinta-feira (02), que o PA da Enseada do Suá mantém irregularidades, como o compartilhamento de ambientes entre pessoas que possuem contato com a Covid-19 e que tratam de outras doenças

Publicado em 03/07/2020 às 16h11
Atualizado em 03/07/2020 às 19h16
Conselho de Enfermagem denuncia risco de contaminação no PA da Enseda do Suá
Conselho de Enfermagem denuncia risco de contaminação no PA da Enseada do Suá. Crédito: Coren-ES

Para o Conselho Regional de Enfermagem do Espírito Santo (Coren-ES), o Pronto Atendimento (PA) da Praia do Suá, em Vitória, é um local de risco de contaminação do novo coronavírus para pacientes e funcionários. O órgão denunciou, na última quinta-feira (02), que o PA mantém irregularidades - como o compartilhamento de ambientes entre pessoas que possuem contato com a Covid-19 e que tratam de outras doenças.

De acordo com o Coren-ES, em nota divulgada nas redes sociais do Conselho, na última quinta (02) três "graves irregularidades" foram constatadas no PA, durante uma fiscalização no dia 10 de junho deste ano.

  • Pessoas com suspeita de Covid-19 e pacientes com outras queixas sendo atendidos no mesmo espaço e pelos mesmos profissionais,
  • Reutilização de capotes que deveriam ser descartados após assistência, 
  • Profissionais que atendem Covid e não Covid compartilhando refeitório, dormitório, banheiros e outros ambientes.

"Na notificação entregue pelo Coren-ES, foi estabelecido prazo de cinco dias para as adequações necessárias. Porém, até hoje nenhuma providência foi tomada por parte da prefeitura", informou o Coren-ES.

NOVO PRAZO PARA ADEQUAÇÕES NO PA

O Conselho ainda afirmou que na última quarta-feira (01) a conselheira Paula Freitas e a coordenadora de fiscalização Jussara Sardenberg foram ao local com um Termo de Ajustamento de Conduta contendo novo prazo de cinco dias para correção das irregularidades. Porém, um procurador da prefeitura de Vitória teria tentando impedir a assinatura.

"A recusa significava manter pacientes, acompanhantes e profissionais de saúde em alto risco de contaminação pelo coronavírus. Mas, após quase quatro horas de argumentação do Coren-ES, inclusive com a possibilidade de suspensão do exercício profissional de Enfermagem, o TAC foi assinado pela diretora-geral, pela RT e pela coordenadora da Urgência e Emergência do PA. Todas enfermeiras", informou o Conselho na nota.

O Coren afirma que a fiscalização retornará ao PA da Praia do Suá para conferir se as adequações foram realizadas no prazo estipulado. A operação teve início em 11 de maio deste ano e continuará por tempo indeterminado.

PREFEITURA NEGA IRREGULARIDADES

Procurada, A Secretaria Municipal de Saúde de Vitória (Semus) negou que tenha assinado um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) e informou que, na verdade, foi lavrada uma ata que será encaminhada à Procuradoria Geral do Município (PGM), acompanhada de relatório, para análise e orientação quanto às providências cabíveis.

"Tanto nos pronto-atendimentos quanto nas unidades de saúde de Vitória são cumpridas todas as recomendações sanitárias e de biosegurança durante a pandemia pelo novo coronavírus com base em protocolos do Ministério da Saúde", afirmou a Semus, por nota. 

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.