ASSINE

Aulas nas escolas estaduais do ES seguirão modelo híbrido em 2021

Previsão é de que, no próximo ano letivo, alunos da rede estadual de ensino realizem parte das atividades na escola, e parte em casa, remotamente

Publicado em 20/10/2020 às 18h47
Atualizado em 20/10/2020 às 21h17
Aulas a distância tem se mostrado um desafio para alunos e professores
Jovem assistindo videoaula no notebook / ensino a distancia. Crédito: Annie Spratt/Unsplash e Julia Cameron/Pexels

Ao passo que ainda não há previsão para vacinação de crianças e adolescentes na primeira fase de imunização contra a Covid-19, o a Secretaria de Educação (Sedu)  do Estado já se planeja para manter um modelo de ensino híbrido aos alunos da rede estadual durante o ano letivo de 2021.

"A gente já trabalha com essa possibilidade, fazendo um planejamento de modelo híbrido para 2021, com momentos presenciais, momentos não presenciais, e vamos fazendo os ajustes conforme necessário", explicou a subsecretária de Estado da Educação Básica e Profissional, Andréa Guzzo, em entrevista à CBN Vitória, na manhã desta terça-feira (20).

Esse planejamento prévio permite que as escolas já se estruturem, de antemão, para a eventualidade de haver alunos infectados pelo novo coronavírus. Desta forma, caso a escola precise suspender o ensino presencial, temporariamente, não haveria prejuízos ao processo de aprendizagem.

Segundo informações obtidas pela CBN Vitória, a Prefeitura de Vila Velha também pretende adotar o modelo híbrido nas escolas da rede municipal.

REPROVAÇÃO

Os alunos de Ensino Fundamental, Médio, Profissionalização e EJA (Educação de Jovens Adultos) da rede estadual que não tiverem uma participação mínima nas aulas, caracterizada, especialmente, pela entrega de atividades, serão considerados desistentes no ano de 2020 e terão que repetir o período letivo em 2021.

Já os alunos que participaram das aulas, e entregaram atividades terão a aprovação automática, segundo a subsecretária de Estado da Educação Básica e Profissional, Andréa Guzzo. 

Ela observa que os professores têm aplicado atividades avaliativas, seja por meio de questionários, atividades de produção textual, entre outros. As tarefas, entretanto, não tem função de aprovar ou reprovar, e sim diagnosticar o que o aluno aprendeu, e se é preciso realizar atividades de reforço para que o conteúdo seja melhor absorvido.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.