ASSINE

Escola particular: aluno que não fez aulas online pode ser reprovado

As escolas particulares poderão, porém, aprovar os alunos que tentaram participar do ensino remoto e não conseguiram por causa da falta de estrutura ou dificuldades em adaptação com as aulas online

Publicado em 15/10/2020 às 17h20
Atualizado em 15/10/2020 às 21h01
Fotos de sala de aula vazia - banco de imagens
Para o Sinepe-ES, não é possível tratar casos de alunos que fizeram atividades da mesma forma daqueles que abandonaram os estudos. Crédito: Jcomp/Freepik

Alunos da rede privada que não participaram das aulas remotas durante a pandemia podem ser reprovados em 2020, de acordo com o Sindicato das Empresas Particulares de Ensino do Estado do Espírito Santo (Sinepe-ES). Porém, cada caso deverá ser analisado separadamente e as escolas poderão fazer a aprovação daqueles alunos que tentaram participar do ensino remoto durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) e não conseguiram por falta de estrutura ou dificuldades em adaptação.

De acordo com o vice-presidente do Sinepe-ES, Eduardo Costa Gomes, a orientação  vai de acordo com a indicada pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), que afirma que não é possível tratar todos os casos da mesma forma. 

"Cada instituição pode fazer como quiser, inclusive aprovação automática. Mas o que percebi é que a grande maioria não irá por esse caminho. Nossa orientação é: não podemos aprovar todos se sabemos que os casos são diferentes. Temos que avaliar a participação nas atividades e medir o desempenho de cada um. Seremos solidários e teremos bom senso com todos os casos onde, por ventura, o aluno não conseguiu participar das atividades, seja por falta de recurso, mudança de endereço ou grande dificuldade de adaptação, por exemplo. Mas é diferente do caso do aluno que não frequentou aulas e não fez as atividades porque abandonou os estudos", disse. 

Eduardo Costa Gomes completou que todos os alunos de escolas particulares estão sendo acompanhamos desde o início da pandemia. Nos casos onde houve abandono, inclusive, ele afirma que as instituições entraram em contato com os responsáveis.

"Tem aluno que entra na sala, mas não assiste a aula. É chamado pelo professor e não responde ou não entrega as atividades. Ligamos para a casa das famílias para saber o que estava acontecendo e oferecer auxílio, se necessário. Ao mesmo tempo, temos alunos que, mesmo nesse momento atípico, se esforçaram e participaram das atividades.  Aquele que se empenhou não pode ser avaliado da mesma forma que o que não se empenhou.  Seria injusto. Vale lembrar que 99% das escolas particulares ofereceram o ensino remoto de imediato, assim que a pandemia teve início", afirmou. 

O vice-presidente do Sinepe completou que, mesmo com a pandemia, as provas já estão sendo aplicadas em escolas privadas, o que continuará acontecendo  até o fim do ano letivo. "Nosso principal objetivo é a garantia de aprendizado para todos". 

REDE ESTADUAL NÃO IRÁ REPROVAR EM 2020 

Já nas escolas da rede estadual, os alunos não serão reprovados ao final deste ano, uma vez que a conclusão do ciclo de aprendizagem se dará no próximo. O secretário estadual da Educação, Vitor de Angelo, explicou que não se trata de aprovação automática dos estudantes, mas sim uma lógica do sistema de avaliação. "Se será um biênio, não posso reprovar o aluno no meio do ciclo, assim como não é possível reprová-lo em agosto quando o ciclo é anual", compara.

Apesar do currículo continuado - chamado, oficialmente, de continuum curricular - que reunirá os conteúdos em dois anos, Vitor de Angelo apontou que o aluno vai avançar de série, de 2020 para 2021, e a promoção ou reprovação se dará no final do biênio.

O secretário citou como exemplo uma criança que está, agora, no 6º ano do ensino fundamental. Em 2021, ela passará para o 7º ano e, ao final do período, seu desempenho será avaliado para saber se tem condições de progredir para o 8º ou se vai repetir.

Para garantir a aprendizagem que não foi obtida ao longo de 2020, em decorrência da pandemia, e mais os conteúdos previstos para o próximo ano, os componentes curriculares das duas séries serão misturados.

"É importante deixar claro que, apesar de não haver reprovação em 2020, o aluno não deve pensar "estou tranquilo", não vou fazer prova, não vou fazer atividade. Se eu fosse aluno, não iria por esse caminho. Se não estiver acompanhando o conteúdo desde agora, é muito provável que reprove no final do ano que vem", ressalta Vitor de Angelo.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.