ASSINE

Aspirina: para que ela serve, quais os riscos e quando usar

O remédio utilizado de forma inadequada pode apresentar mais perigo do que antibióticos. Segundo especialistas, o uso da medicação deve ser restrito e sob orientação médica, pois há risco de provocar hemorragias

Tempo de leitura: 3min
Publicado em 19/02/2022 às 15h00
Aspirina
Aspirina pode causar hemorragia se utilizado de forma inadequada. Crédito: Yeko Photo Studio/ Freepik

Remédio popular, de fácil acesso e com preço acessível, a aspirina (ácido acetilsalicilico), ou AAS, pode não ser tão inofensiva quanto se poderia imaginar. Um conjunto inicial de diretrizes de um painel de especialistas dos Estados Unidos indica que, em alguns casos, o risco de efeitos colaterais graves supera os benefícios que a medicação possa trazer para diversos tratamentos, tais como prevenção ao ataque cardíaco ou derrame.

O estudo americano vai ao encontro do entendimento de especialistas locais. Para a neurologista Soo Yang Lee, o uso do AAS deve ser feito com mais cautela ainda do que o uso de antibióticos, por poder trazer risco maior e mais imediato à saúde.

“Realmente foi uma medicação muito utilizada em casos de infartos cardíacos e cerebrais. Mas com o envelhecimento da população, temos observado que o uso prolongado tem aumentado o risco de hemorragia”, destaca.

Soo Yang Lee

Neurologista

"Um idoso que cai e bate com a cabeça, por exemplo, tem maior risco de formar coágulo. Pode ocorrer até mesmo hemorragias espontâneas, sobretudo no estômago. Então o uso requer muita cautela"
Neurologista Soo Yang Lee
Neurologista Soo Yang Lee alerta sobre uso frequente da Aspirina. Crédito: Divulgação

O que ocorre é que, sob o efeito da aspirina, o organismo pode ter dificuldades em conter situações de sangramento. O hematologista Rafael Rocha de Lima explica que o medicamento faz com que as plaquetas percam sua função.

“A aspirina, o AAS, tem ação antiagregante plaquetária, isso quer dizer que ela inibe que uma plaqueta se agregue a outra e evita a formação de trombos, prevenindo episódios de infarto e AVC. Mas, em caso de sangramento, ela também impede que as plaquetas formem o tampão que estanca esse sangramento. Portanto, com a medicação, as plaquetas acabam perdendo a sua funcionalidade”, frisa.

Hematologista Rafael Rocha de Lima
 Hematologista Rafael Rocha de Lima: uso deve ser avaliado somente quando paciente já tem a doença. Crédito: Divulgação

Entre as orientações da força-tarefa americana, está ainda que os médicos não devem mais indicar a medicação para a maioria das pessoas que têm risco alto para doenças cardíacas.

“Para a prevenção primária, quando a pessoa não tem a doença, a aspirina não é indicada. Somente se for risco secundário, quando a pessoa já tem a doença, mesmo assim em doses controladas pelo médico, analisada caso a caso, em quantidade reduzida. E não deve ser usada jamais sem orientação médica, por meio de automedicação”, diz o cardiologista Diogo Barreto, coordenador do Serviço de Cardiologia do Hospital Evangélico.

Cardiologista Diogo Barreto
Cardiologista Diogo Barreto: recado importante contra automedicação. Crédito: Divulgação

“O estudo americano atual pega os estudos de 2018 e mostra que não há benefícios do uso da aspirina na prevenção. Passa a poder tomar quem tem diagnóstico da doença coronariana, sob rígido acompanhamento de médico cardiologista ou neurologista, quem já teve evento, na prevenção de um segundo. O recado muito grande é sobre automedicação. Pois é remédio de fácil acesso, baixo custo, porém a automedicação jamais deve ser realizada”, complementa Barreto.

O hematologista Rafael Rocha Lima lembra que o estudo realizado pela Forca-Tarefa de Serviços Preventivos dos Estados Unidos para avaliar a utilização profilática da aspirina em algumas situações ainda está em período de consulta pública até início de novembro, quando será publicada a versão final.

“Importante destacar que os cardiologistas, neurologistas ou qualquer outro profissional médico utilizam alguns protocolos para avaliar o benefício e o risco da medicação, indicando a utilização da medicação quando o benefício é maior do que o risco”, reforça.

RESTRIÇÕES AO USO DE ASPIRINA, SEGUNDO ESPECIALISTAS

  • Jamais fazer uso do AAS sem orientação médica, seja qual for a idade do paciente;
  • Mesmo em crianças, a medicação não é indicada em casos de dor ou febre, devido ao risco de complicações principalmente quando suspeita de algumas doenças, como a dengue;
  • Em caso de prevenção primária, geralmente antes dos 60 anos, que é quando a pessoa não tem ainda a doença, a aspirina não é indicada;
  • Quando o risco é secundário, isto é, geralmente após os 60 anos, e a pessoa já teve um infarto cardíaco ou cerebral, para evitar um novo evento, o remédio pode ser prescrito pelo médico. Mas sempre na dose e na forma receitada pelo especialista;
  • Em casos de mulheres grávidas que façam tratamento para evitar eclampsia, a avaliação do uso ou não da medicação será caso a caso, por isso só deve ser usado sob orientação médica;
  • O painel americano planeja recuar de sua orientação de 2016 em prescrever aspirina infantil para a prevenção do câncer colorretal, afirmando que mais pesquisas são necessárias.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Núcleo ag Medicamento

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.