ASSINE

Agulha e linha em mãos: morador de rua faz crochê para sobreviver no ES

Marcos Antônio Alves dos Santos, de 46 anos, trabalha com arte que aprendeu com a mãe para tentar melhorar de vida, pois o que ele mais quer é ter um lugar para voltar à noite

Artesão vive na rua vendendo crochê

Nas mãos, agulha e linha. Na cabeça, a memória da mãe fazendo crochê. É possível que, com essas poucas palavras, você já comece a criar na mente a imagem de uma pessoa. E se ela fosse, na verdade, um homem em situação de rua? É exatamente essa a história do artesão capixaba Marcos Antônio Alves dos Santos, de 46 anos.

Nascido em Cariacica, ele lembra da boa infância com a avó e conta que começou a trabalhar, ainda adolescente, em uma loja de tecidos no Centro de Vitória. "Depois, acabei mudando de profissão e trabalhando com culinária. Mas, infelizmente, eu dei um passo errado na vida e até hoje estou tentando reverter", admite.

Marcos Antônio Alves dos Santos, 46 anos, artesão que vive em situação de rua
Marcos Antônio Alves dos Santos, de 46 anos, é artesão e vive em situação de rua. Crédito: Vitor Jubini

Sentado em uma calçada de Vila Velha, Marcos Antônio chama a atenção das pessoas pela habilidade manual e a história dele chegou aos olhos apurados do fotógrafo Vitor Jubini, de A Gazeta, que entrevistou o artesão. O homem relata que recorreu ao crochê após sofrer com uma crise na vesícula e precisar voltar para a rua.

"Eu trabalhava em lava a jato em troca de algum dinheiro e lugar para ficar, mas como era uma época de chuva, não tinham muitos carros para lavar. O dono já tinha funcionários e eu passei a me sentir um peso morto. Então, eu fui embora e comecei a catar latinha, mas senti que precisava ir além", lembra.

Marcos Antônio Alves dos Santos

Artesão em situação de rua

"Eu lembrei do crochê, que aprendi vendo a minha mãe fazer. Foi quando cheguei em um armarinho e falei: 'Dona, a senhora não me doaria um novelo de linha e uma agulha para eu mostrar o meu serviço?' Ela riu e disse: 'Perfeitamente'"

Após receber o material doado em ato de solidariedade, ele deu ponto atrás de ponto. Surgiram toalhas de mesa, tapetes, bolsas e malhas. "As pessoas passavam por mim, gostavam do meu trabalho e encomendavam. Até estou em dívida com algumas, porque, como não tenho lugar para guardar, as linhas somem e eu preciso correr para repor da mesma cor que elas pediram", relata.

Atencioso, ele comenta sobre os cuidados extras que terá que ter para poder fazer um jogo de sousplat (uma espécie de suporte decorativo para pratos). "Eu pretendo fazer com a linha branca. Então, tenho que estar com as mãos limpas, brilhando, né? Para não sair um trabalho mal feito, sujo", afirma.

Marcos Antônio Alves dos Santos

Artesão em situação de rua

"É com o crochê que eu ganho meus trocadinhos para viver minha... Não vou falar vidinha, porque Deus me deu uma 'vidona'. Estou com 46 anos e tem muita gente que não chega a tanto"

Para o futuro, Marcos Antônio espera poder colocar um preço nos trabalhos que faz. "Às vezes, eu passo dias fazendo um tapete grande. Aí passa um carro, pergunta quanto custa e eu falo que é R$ 60, mas ele só tem R$ 30. Com a minha necessidade, eu pego. Queria mesmo é poder colocar preço, como um comércio", aponta.

Durante a entrevista, concedida quase toda em tom esperançoso e, por vezes, até animado, Marcos Antônio consegue até apontar um ponto (quase) positivo do atual contexto. "Tem um lado mais suportável, que é a questão da liberdade. Eu gosto desse pontinho, mesmo que seja falsa essa liberdade e que, às vezes, até me custe caro", opina.

Marcos Antônio Alves dos Santos, 46 anos, artesão que vive em situação de rua
Apesar das dificuldades enfrentadas na rua, Marcos Antônio Alves dos Santos mantém o bom-humor, a esperança e o sorriso. Crédito: Vitor Jubini

Entretanto, como ele bem disse, não tem lado bom em ser morador de rua. Sobram carências físicas e sentimentais. "O pior lado é a hora em que você precisa fazer necessidades e tomar um banho, porque o alimento até que vem. Já sentimentalmente falando, o que mais pesa é a falta da família", desabafa.

Cheio de saudade, ele parece costurar a esperança a cada ponto de crochê, em busca de um lugar para ficar. "Eu só quero um canto para colocar minhas coisas e deitar. Um banheiro. Essa é a minha necessidade hoje. Não sei até quando vou esperar. Só sei que um dia essa porta vai se abrir", finaliza, confiante.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.